Moçambique quer políticas sociais para habitantes de regiões carboníferas

Moçambique quer políticas sociais para habitantes de regiões carboníferas

Apelo foi lançado na 3ª Conferência Internacional Anual do Carvão, que termina esta quarta-feira, em Maputo; Unicef pediu investimento dos operadores em prol de crianças.

Manuel Matola, da Rádio ONU em Maputo.

O Governo de Moçambique exortou às multinacionais que operam na área do carvão a desenvolver ações de responsabilidade social para residentes das zonas de extração do mineral.

Recentemente, o Fundo das Nações Unidas para a Infância, Unicef, considerou que as multinacionais da área de mineração devem adotar políticas sociais em prol das crianças do país.

Minerais

O apelo das autoridades foi lançado pelo vice-ministro dos Recursos Minerais, Abdul Razak, na 3ª Conferência Internacional Anual do Carvão, que termina nesta quarta-feira, em Maputo.

“Queremos que as empresas se engajem em ações de responsabilidade social corporativa para beneficiar diretamente as populações que vivem nas zonas circunvizinhas aos projetos e empreendimentos de modo que as populações sintam os benefícios diretos para além de benefícios gerais das atividades mineiras exercidas no território onde habitam”.

Crianças

De acordo com o Unicef, ao serem canalizados recursos para as crianças poderia ser tirado melhor proveito dos recursos naturais.

Cerca de 40 empresas da área mineira encontraram grandes quantidades de carvão na província de Tete, no centro do país. Segundo estimativas do governo, as descobertas poderão tornar Moçambique no maior exportador de carvão em África.

Desde 2009, o executivo concedeu licenças de extração a cerca de 50 empresas nacionais e estrangeiras que operam no centro de Moçambique, onde se prevê que existam as maiores reservas de carvão do mundo.