31 janeiro 2020

Jean Pierre-Lacroix falou à ONU News durante sua viagem oficial ao Mali; operação de paz no país é uma das maiores da ONU.

Chefe das Operações de Paz da Nações Unidas falou à ONU News durante sua viagem oficial ao Mali. Jean Pierre-Lacroix visitou as cidades de Gao, Mopti e Bamako, capital do país. A Missão Multidimensional Integrada de Estabilização, Minusma, foi criada em 2013 para apoiar os processos políticos e a segurança no país africano. A operação, uma das maiores da ONU, conta mais de 15 mil integrantes.  Lacroix conversou com Joyce Fernandes de Pina, da Minusma.

 

O que está a fazer no Mali e como vê a situação maliana neste momento?

Bom, é uma situação complicada, cheia de desafios, mas ao mesmo tempo, nossa operação de paz faz muito para apoiar os esforços de paz no norte do país e também do centro.  Nós apoiamos a implementação do Acordo de Paz, no norte, e apoiamos os esforços para a reconciliação das comunidades na parte central do país.

 

Quais são os problemas mais prementes, urgentes, neste momento?

Eu acho que o problema mais sério no Mali é o problema da segurança porque ainda tem no Mali, uma atividade muito forte dos grupos terroristas, tanto no norte quanto no centro do país. Então, o impacto dessa situação sobre a população ainda é muito forte, até o impacto humanitário.

Então, nós na Minusma, na Operação de Paz das Nações Unidas, fazemos esforços no âmbito da segurança com nosso componente militar, nossa componente de polícia, mas fazemos muito mais.

Os nossos colegas da Minusma fazem muito para apoiar os esforços de reconciliação, os esforços de diálogo. Fazem muito para apoiar a mediação trabalhando em cooperação com as autoridades do Mali. E, eu acho que nós tivemos alguns resultados positivos. Nós falamos com as comunidades no norte, onde eu fui à cidade de Gao, também no centro em Mopti. E os representantes da população, das comunidades, nos disseram que as atividades da Minusma têm um impacto positivo. Eles querem mais, com certeza, mas eles reconhecem o impacto positivo da Minusma.

Minusma
Jean Pierre-Lacroix visitou as cidades de Gao, Mopti e Bamako, capital do país.

 

Isso leva-me à próxima questão. Em relação à presença de mulheres em operações de paz, e visto que está provado que quanto maior a representação feminina maior o nível de sucesso também...

Bom, nós fazemos muito para aumentar a presença das mulheres nas operações de manutenção de paz. E, nós sabemos que quanto temos mais mulheres nas nossas operações, isso faz uma manutenção de paz mais eficaz. E a razão, - além do fato de que as mulheres podem fazer qualquer coisa tão bem quanto os homens - , mas além disso, quando a gente tem mais mulheres no componente civil, policial, isso faz com que a gente possa estabelecer um clima de confiança com a população. É mais fácil para os nossos colegas estabelecer um clima de confiança, é mais fácil para as mulheres interagir com a população vulnerável, com as mulheres, as crianças. Isso é muito importante para nós. A boa notícia é que a cada ano, nós temos mais militares como militares, nas polícias das Nações Unidas, mais colegas civis. A proporção das mulheres está aumentando nas operações de manutenção de paz.

 

Minusma/Sylvain Liechti
Soldados de paz da Minusma nas ruas de Kidal, no Mali

 

 

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Portugal reforçará participação em Missão das Nações Unidas no Mali, Minusma

Ministro da Defesa, João Gomes Cravinho, visitou Bamako para anunciar envio de 75 elementos e um avião de reconhecimento C-295; ele esteve dois dias na nação da região do Sahel, onde se reuniu com a liderança da Minusma e autoridades.

Especial: general Costa Neves, novo comandante brasileiro na RD Congo

No dia 22 de janeiro, o general Costa Neves assume o comando na Missão das Nações Unidas na República Democrática do Congo, a Monusco. O militar brasileiro fala sobre os planos para comandar a maior missão de paz da ONU no mundo com 14 mil integrantes.