ONU saúda partida de primeiro navio da Ucrânia carregado de grãos após acordo
BR

1 agosto 2022

Embarcação transporta mais de 26 mil toneladas de milho de Odessa para o porto libanês de Trípoli; medida faz parte do acordo assinado, em Istambul, por Ucrânia, Rússia, Turquia e Nações Unidas; iniciativa de Grãos do Mar Negro também inclui portos de Chornomorsk e Yuzhny.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, saudou esta segunda-feira a saída do navio comercial Razoni do porto ucraniano de Odessa. 

Falando a jornalistas, em Nova Iorque, o chefe da ONU confirmou que a embarcação transporta mais de 26 mil toneladas de milho para o porto de Trípoli, no Líbano. 

Bom funcionamento 

Ele disse que o navio mercante Razoni está carregado com duas mercadorias agora em falta: o milho e a esperança. O líder da organização chamou a atenção para a expectativa de milhões de pessoas em todo o mundo que dependem do bom funcionamento dos portos da Ucrânia para alimentar suas famílias.

António Guterres sublinha que movimento de produtos é um imperativo humanitário
ONU
António Guterres sublinha que movimento de produtos é um imperativo humanitário

 

No entanto, Guterres destacou que a partida da embarcação marca um longo caminho desde que ele apresentou uma proposta aos dirigentes dos dois países em conflito, no final de abril.

Para o secretário-geral, a Iniciativa de Grãos do Mar Negro permite o envio de volumes significativos de exportações de três portos ucranianos: Odessa, Chornomorsk e Yuzhny.

O chefe da ONU disse esperar que este movimento seja o primeiro de várias embarcações comerciais como parte do acordo formalizado em 22 de julho envolvendo a Ucrânia, Rússia, a ONU e a Turquia.

O navio mercante Razoni está carregado com duas mercadorias agora em falta: o milho e a esperança

Navegação

O compromisso prevê a retomada dos embarques que foram interrompidos com o início da guerra, em fevereiro. A expectativa é que com o movimento de embarcações seja aliviada a crise alimentar global e reduzido o preço dos grãos.

O Centro de Coordenação Conjunta, JCC, que faz parte da iniciativa, confirmou ter autorizado a partida. O movimento “obedece às coordenadas e restrições específicas do Corredor Marítimo Humanitário Seguro” e os detalhes satisfazem aos procedimentos de navegação internacional.

O pedido feito a todas as partes envolvidas é que informem as respectivas áreas militares e outras autoridades relevantes para garantir a passagem segura da embarcação que transporta a carga.

Expectativa da ONU é que movimento de grãos e de outros alimentos pelos mercados globais apoie ajuda humanitária
© FMI/Brendan Hoffman
Expectativa da ONU é que movimento de grãos e de outros alimentos pelos mercados globais apoie ajuda humanitária

 

O JCC anunciou que acompanha a passagem do navio na expectativa de que, depois de Odessa, esteja em águas territoriais turcas na terça-feira. Após uma inspeção no local, o navio seguirá com destino ao território libanês. 

Expectativa 

Guterres agradeceu às autoridades turcas pela “liderança nos esforços de mediação”. O chefe da ONU enfatiza que o movimento de grãos e outros alimentos pelos mercados globais “é um imperativo humanitário”.

O acordo assinado no mês passado estabelece que a Rússia não ataque portos enquanto os carregamentos estiverem em trânsito e que a Ucrânia coloque suas embarcações navais guiando as de carga por águas minadas.

Guterres ressaltou que a guerra deve terminar e a paz estabelecida, de acordo com a Carta das Nações Unidas e o direito internacional. Com as notícias de Odessa ele disse esperar que seja “ um passo em direção a esse objetivo”, para os povos da Ucrânia e da Rússia e para o mundo.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud