OMS: África está no caminho para controlar a Covid-19 em 2022
BR

10 fevereiro 2022

Vigilância continua sendo importante, especialmente porque a pandemia empurrou 40 milhões de pessoas no continente para a pobreza extrema; enquanto a primeira onda durou 29 semanas, a quarta onda terminou seis semanas depois. 

 

Quase dois anos depois do primeiro caso de Covid-19 ter sido identificado na África, a Organização Mundial da Saúde afirmou nesta quinta-feira que se a tendência continuar, o continente poderá controlar a pandemia neste ano. 

Mas a OMS destaca que vigilância continua sendo chave, sendo que quatro ondas de Covid-19 já foram identificadas na África. A primeira, em 2020, durou 29 semanas, mas a onda mais recente, causada pela variante Ômicron, terminou depois de seis semanas.  

Mortes e pobreza extrema  

Mulher recebe segunda dose da vacina contra Covid-19 em uma igreja em Kasungu, Malawi.
© Unicef/Thoko Chikondi
Mulher recebe segunda dose da vacina contra Covid-19 em uma igreja em Kasungu, Malawi.

A diretora da OMS para a África, Matshidiso Moeti, declarou que “nos últimos dois anos, a resposta do continente aos novos casos de Covid-19 ficou mais inteligente, mais rápida e melhor”.  

Ela lembra que os avanços foram alcançados mesmo com grandes desigualdades no acesso às vacinas. A chefe da OMS lembrou ainda das 242 mil vidas perdidas pelo coronavírus na África e dos enormes danos à economia dos países.  

De acordo com o Banco Mundial, a pandemia empurrou 40 milhões de africanos para a pobreza extrema e por cada mês em que houve medidas de contenção, as perdas do PIB chegaram a US$ 13,8 bilhões na África.  

Mas a chefe da OMS no continente confirma que “existe luz no fim do túnel”, sendo 2022 o ano “do fim da destruição que o vírus deixou pelo caminho e o ano de tomarmos novamente controle das nossas vidas”. 

Saindo da emergência  

Moeti acrescentou que “controlar a pandemia deve ser prioridade, mas cada país deve trilhar o seu próprio caminho para sair dessa situação de emergência”. Se na primeira onda de Covid-19 cerca de 2,5% das pessoas infectadas morriam, na quarta onda, causada pela Ômicron, média de mortes baixou para 0,8% entre os casos positivos.  

Desde o começo da pandemia, a capacidade do continente africano em tratar dos casos melhorou, com maior acesso a oxigênio, equipamentos médicos e aumento dos leitos nas Unidades de Terapia Intensiva.  

A diretora da OMS na África disse ainda “que devido a novas variantes, é essencial que os países ampliem suas capacidades de detectá-las por meio do sequenciamento genético”.  

Vacinas  

Campanha de vacinação contra a Covid-19 na República Democrática do Congo.
Foto: © UNICEF/Olivia Acland
Campanha de vacinação contra a Covid-19 na República Democrática do Congo.

A OMS aumentou o número de laboratórios capacitados para detectar a Covid-19 na África, de apenas dois para mais de 900 atualmente e o sequenciamento genético foi ampliado em 54%.  

A agência da ONU lembra que a vacina continua sendo a “arma mais potente contra as novas variantes da Covid-19”. Até o momento, 672 milhões de doses foram entregues aos países africanos, sendo 65% facilitadas pelo mecanismo Covax.  

Apesar disso, apenas 11% da população adulta do continente está totalmente vacinada e por isso, é essencial ampliar o programa de vacinação, a testagem e a vigilância, salienta a OMS.  

 

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud