Mortes por Covid-19 caem 10% em uma semana
BR

1 dezembro 2021

OMS divulga balanço semanal sobre a pandemia, informando que variante ômicron é possivelmente mais transmissível; mundo tem total de 260 milhões de casos confirmados de coronavírus, que já matou quase 5,2 milhões de pessoas.

A Organização Mundial da Saúde, OMS, divulgou esta quarta-feira o balanço semanal sobre a pandemia de coronavírus. Nos últimos sete dias, foram registrados 3,8 milhões de novos casos e 47,5 mil mortes. Segundo a OMS, o índice de óbitos foi 10% menor do que o da semana anterior. 

Na África, os novos casos de Covid subiram 93% entre 22 a 28 de novembro. No Pacífico, a alta foi de 24% e na Europa, de 7%. Por outro lado, as regiões das Américas e do sudeste da Ásia registraram quedas de 24% e de 11%, respectivamente. 

Estados Unidos e Alemanha 

Na Venezuela, ONU e parceiros apoiam resposta à Covid-19.
Foto: UN OCHA/Gema Cortes
Na Venezuela, ONU e parceiros apoiam resposta à Covid-19.

Os países que tiveram o maior número de novos casos de Covid-19 na última semana foram Estados Unidos (464,8 mil), Alemanha (406,7 mil), Reino Unido (304 mil), Rússia (239 mil) e França (190 mil). 
A OMS revela que em quase dois anos, a Covid-19 matou 5,2 milhões de pessoas entre mais de 260 milhões de infectadas. Os cientistas da agência continuam estudando a nova variante, ômicron, que tem alto poder de mutação.

Maior risco de transmissão 

A agência da ONU consegue confirmar até agora que a ômicron já foi identificada em vários países e existe uma chance alta de continuar se espalhando. Evidências preliminares já sugerem que esta variante tem potencial de escape imunológico e é possivelmente mais transmissível na comparação com as outras variantes.

Ainda assim, a epidemia de SARS-CoV-2 continua caracterizada pela predominância da variante Delta . Nesta quarta-feira, aconteceu na OMS, em Genebra, o encerramento da sessão especial da Assembleia Mundial da Saúde, um encontro de três dias que focou na resposta ao coronavírus.

O diretor-geral da agência elogiou a criação de um órgão de negociação intergovernamental para levar à criação de um acordo internacional sobre prevenção de pandemias, preparação e respostas.  A primeira reunião foi marcada para março de 2022. 

Fim da Covid é escolha 

Aos países, Tedros Ghebreyesus afirmou ter apenas um único pedido: “acabem com esta pandemia”. Ele lembrou que o vírus já deu sinais de que não irá simplesmente desaparecer e por isso, “acabar com a pandemia não é questão de chance, mas sim uma questão de escolha”. 

O chefe da OMS solicitou aos países que já têm 70% da população vacinada para seguirem o exemplo da Suíça e enviarem doses para os mecanismos Covax e Avat, encarregados de levar os imunizantes para nações de renda baixa, como as da África. 

Tedros também defende que os países “removam todas as barreiras para o aumento da produção de vacinas, para que compartilhem as tecnologias e conhecimentos e para que renunciem os direitos de propriedade intelectual”. 

O diretor-geral da OMS pediu ainda aos Estados-membros para aumentarem a vigilância, os testes, o sequenciamento e a comunicação sobre novas variantes e para que não penalizem os países que façam isso. 

 

Neste vídeo, de Lisboa, Leda Letra traz mais informações sobre Portugal que voltou ao estado de calamidade nesta quarta-feira:

 

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud