12 outubro 2020

Estudo da Unaids aponta mesma disparidade quanto ao tratamento antirretroviral; alta taxa de sucesso em mulheres se deve a melhor comportamento na busca de saúde e a serviços para o vírus projetados especificamente para público feminino. 

O Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/Aids realça que homens vivendo com o vírus têm menor probabilidade de ter acesso ao teste e à terapia antirretroviral.  

Os mais altos níveis de novas infeções pelo HIV ocorrem também entre o gênero masculino, realça uma atualização publicada esta segunda-feira. 

Novas infecções  

Teste de HIV acessível - um passo importante no combate ao vírus. , by Foto: Aliança da Saúde Pública/Ucrânia

A agência estima que 1,7 milhão de pessoas foram infectadas pelo vírus em todo o mundo em 2019. O total corresponde a uma queda de 23% no número de novas infecções pelo HIV desde 2010.  

Apesar disso, os dados sobre os novos infectados no ano passado ilustram que o progresso na prevenção continua muito lento. O total é maior que o triplo do limite de 500 mil infeções que se esperavam em 2020. 

Em 2019, ocorreram menos casos de novas infecções por HIV em todo o mundo entre mulheres e meninas. A proporção é de 48% do total de infecções,  se comparada aos 52% de homens e meninos. 

Nesse grupo, o número de novas infecções tem caído mais rapidamente por ano tendo atingido 27% desde 2010. Entre homens e meninos a queda foi de 18%. 

Tratamento  

A agência da ONU revela ainda que em quase todas as regiões, as mulheres que vivem com HIV têm mais probabilidade de ter acesso ao teste e ao tratamento antirretroviral do que os homens. 

Achta, de 19 anos, no Chade, participa em campanha de sensibilização sobre HIV, by Unicef/Frank Dejong

Entre os fatores que influenciam essas disparidades estão o melhor comportamento do público feminino na busca de saúde e a existência de serviços relacionados ao HIV projetados especificamente para as mulheres. Entre eles estão a prevenção da transmissão do HIV de mãe para filho durante o atendimento pré-natal. 

No período analisado, a diferença na cobertura do tratamento em todo o mundo era de 12% dando vantagem para mulheres vivendo com HIV, se comparada a homens nessa situação. A supressão viral era 10 pontos percentuais maior em pacientes de sexo feminino.  

África Subsaariana 

A Unaids destaca que a lacuna de tratamento entre homens vivendo com o vírus contribui para aumentar as novas infecções por HIV em mulheres na África Subsaariana.  

A agência realça estudos recentes em várias partes da região mostrando como uma cobertura dessas disparidades acelera o declínio na incidência de HIV entre as mulheres, especialmente as mais jovens. 

Unicef/Karin Schermbrucke
Mãe em Mbarara, no Uganda, dando medicamento contra HIV a seus filhos

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud