Especial: Dia Mundial do Rádio
BR

13 fevereiro 2020

Emissoras comunitárias em Moçambique foram fundamentais durante e depois a passagem do ciclone para orientar a população; associação nacional diz que rádio deve incluir “mecanismo de alerta precoce” para emergências.

Em Moçambique, a rádio é um meio indispensável para fazer chegar informações ao público tanto para o lazer como para emergências. Até abril, o país vive a época chuvosa e o momento de pico é ideal para difundir informações de alerta.

13 de fevereiro é o Dia Mundial da Rádio. Foto: ONU News/Elizabeth Scaffidi

Na província de Sofala, no centro do país, essas atividades podem ser feitas numa rádio fixa ou ambulante. É com a chamada moto áudio, uma caixa de som e um pequeno gerador. Urbano Gil, da Rádio Comunitária Águia mostra como a invenção pode salvar uma comunidade inteira de desastres. E lideranças locais defendem que as rádios devem incluir um mecanismo de alerta precoce.

Meios alternativos  

“A Rádio Águia, como um órgão de comunicação social, tem a missão de combater as doenças de origem hídrica: cólera, malária e diarreia. No entanto, nesta altura em que nós não temos energia, aqui ao nível do país, na zona centro, estamos a utilizar meios alternativos. Nós utilizamos geradores para fazer o recarregamento da nossa caixa de som e os amigos de boa vontade cooperam com a Rádio Águia neste sentido.”

Sofala foi uma das províncias mais atingidas pelo ciclone Idai, que também chegou ao norte. Mais de 600 pessoas perderam a vida. A estação não foi poupada durante a passagem do fenômeno há 10 meses.

O rastro de destruição das cheias arrasou estúdios e equipamentos como transmissores, mesas de áudio, antenas e microfones. Com a rádio fora do ar e a população sem informação, o Programa Mundial de Alimentação, PMA, entrou em ação para ajudar a recuperar o sinal e a sintonia dos mais de 1,9 milhão de ouvintes.

Mensagens

Várias comunidades afetadas pela tempestade tiveram seis emissoras de volta nos distritos de Dondo, Nhamatanda, Gorongosa, Búzi e Beira. Nesss locais, as mensagens de rádio voltaram a soar em mais uma época chuvosa.

A Rádio Nhamatanda foi uma das rádios comunitárias que transmitiram mensagens de prevenção antes do ciclone. Foto: PMA/Suzanne Fenton

E o benefício é comprovado: as rádios comunitárias já alertam sobre uma tempestade iminente ou dão a conhecer sobre medidas para evitar doenças como  cólera e malária após um evento extremo. Esse meio de comunicação também ajuda a localizar pessoas perdidas durante esses eventos.

No país, as emissoras comunitárias fazem chegar informações de utilidade pública e a alcançar os grupos mais vulneráveis, incluindo mulheres, crianças e pessoas com deficiência. Mais de 75% de moçambicanos ouvem rádio.

Ciclone

Foi através da Divisão de Telecomunicações de Emergência, ETC, que o PMA fez as avaliações dos estragos nas emissoras afetadas e restaurou serviços de comunicação para que funcionários humanitários tivessem notícias sobre os afetados pelo Idai.

Em momento de emergência, a diretora do PMA em Moçambique, Karin Manente, disse que a resposta e a preparação são igualmente importantes. Ela foi uma das primeiras pessoas a avaliar a resposta humanitária após o ciclone Idai e prestou assistência na recuperação no país após fenómenos como o El Niño e as secas recorrentes.

E é fundamental a informação. Há já várias maneiras com as quais o Ingc, o Instituto Nacional de Gestão de Calamidades, e outros parceiros já fazem chegar a informação antes de um evento climático como ciclones. Nosso papel ali foi de apoiar este esforço porque precisamos mesmo de informação para o nosso trabalho também. Não fazemos isso para o motivo próprio, mas para o bem público. O que fizemos foi expandir a rede de rádios e usar essa rede para espalhar a informação. O rádio e a informação através do rádio podem ser usados de várias maneiras.”

Segundo a ETC, para uma resposta eficiente e eficaz a desastres, as populações devem ter acesso aos meios de comunicação que difundem informações essenciais sobre o processo e ajudam a alcançar suas famílias e amigos.

Entre os parceiros do PMA em Moçambique está o Fórum Nacional de Rádios Comunitárias, Forcom. A associação com dezenas de emissoras quer incentivar o governo e a sociedade civil a reconhecerem a rádio comunitária como “um mecanismo de alerta de alerta precoce” em emergências.

 

 

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Em Dia Mundial do Rádio, ONU destaca incentivo à diversidade, paz e inclusão

Tema das celebrações de 2020 é “Rádio e Diversidade”; data foi proclamada em 2011 pela Unesco e adotada pela Assembleia Geral no ano seguinte.

ONU ajuda a recuperar seis rádios em Moçambique destruídas durante ciclone Idai

Emissoras foram essenciais para transmitir mensagens de prevenção antes do desastre natural; com a recuperação das seis estações, ouvintes voltam a receber notícias e programação nove meses depois do desastre; juntas, as seis rádios têm mais de 1,9 milhão de ouvintes na província de Sofala.