Agências da ONU apoiam governos de Moçambique, Irã e Madagáscar após cheias
BR

28 janeiro 2020

Fortes chuvas também atingiram a região sudeste do Brasil e o leste da Espanha causando a morte de dezenas de pessoas nos dois países; em Madagáscar, meteorologistas temem ponto alto da estação de ciclones entre fevereiro e março. 

A Agência de Refugiados das Nações Unidas, Acnur, está apoiando o governo do Irã e outros parceiros humanitários para levar assistência a sobreviventes de cheias em áreas do sul do Irã.

Em comunicado, o Acnur informou que um caminhão com donativos incluindo cobertores e alimentos em lata, chegou à província do Baluquistão, um dos locais afetados.

Escolas

As cheias atingiram cerca de 2 mil pessoas, entre elas refugiados afegãos que vivem no Irã. Milhares de iranianos foram obrigados a fugir de suas causas quando o nível das águas começou a subir inundando as estradas e cortando o acesso a quase 500 vilarejos.

Com as cheias, agências humanitárias estão preocupadas com a disseminação de doenças e outros riscos à saúde. Hospitais e postos de atendimento também foram impactados pelo mau tempo.

Cerca de 110 mil afegãos que vivem na região estão sofrendo com falta de água potável. As inundações levaram ao fechamento das escolas.

Os serviços de meteorologia indicam uma nova estação de chuvas em Sistan e Baluquistão para os próximos dias.

Passaportes

O Irã tem uma das maiores comunidades de refugiados do mundo. Atualmente, cerca de 1 milhão de refugiados afegãos residem no país. Outros 2 milhões vivem no Irã sem documentação ou com passaportes do país.

Fortes chuvas também afetam Madagáscar onde 16 mil pessoas foram obrigadas a deixar suas casas e pelo menos 31 morreram. Sete regiões no norte do país foram afetadas. As mais castigadas foram Boeny, Sofia e Alaotra Mangoro.

O governo declarou estado de emergência no último dia 24 e está coordenando a resposta humanitária, mas o acesso ainda é difícil especialmente para Alaotra Mangoro.

O tempo começou a piorar em 17 de janeiro quando um sistema meteorológico começou a se formar no Canal Moçambique. Pelo menos 107 mil pessoas foram afetadas quando as chuvas atingiram em cheio o noroeste de Madagáscar, cinco dias depois.

O mau tempo destruiu a infraestrutura, casas e estradas além de escolas em várias áreas. Mais de 10,6 mil casas estão debaixo d’água e 146 foram destruídas. Quatro das seis rodovias nacionais que ligam o noroeste de Madagáscar ao resto do país foram levadas pelas enchentes.

Brasil e Espanha

Com a estação de chuvas e ciclones que dura de outubro a abril, uma onda de chuvas fortes chegou ao país no início do mês passado, quando o ciclone tropical Belna atingiu vilarejos na região de Boeny.  Os meteorologistas estão prevendo o pior, uma vez que o momento de pico para os ciclones ocorre entre fevereiro e março.

Autoridades do país estão respondendo aos incidentes com a ajuda da ONU e outras organizações internacionais.

Segundo agências de notícias, durante o fim de semana, fortes chuvas atingiram também o sudeste do Brasil nos estados de Minas Gerais e Espírito Santo matando mais de 40 pessoas e afetando milhares.

Já na semana passada, na Espanha, pelo menos sete pessoas morreram quanto chuvas fortes atingiram o leste do país de Andaluzia à Catalunha.

 

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Ocha: chuvas fortes e inundações mataram pelo menos 28 pessoas em Moçambique

Mais de 58,8 mil foram afetados; enchentes danificaram 10,2 mil casas a plantações; agência da ONU alertou que nível da água começou a subir nos distritos da cidade da Beira, Buzi e Nhamatanda, atingidos pelo ciclone Idai em março de 2019.