ONU confirma 2019 como segundo ano mais quente já registrado
BR

15 janeiro 2020

Novos dados foram divulgados pela Organização Mundial de Meteorologia, OMM; chefe da agência disse que, na trajetória atual, o mundo caminha para um aumento de temperatura de 3 a 5 graus Celsius até o final do século.

O ano de 2019 foi o segundo ano mais quente já registrado após 2016. A informação é da Organização Mundial de Meteorologia, OMM.

As temperaturas médias para o período de cinco anos, entre 2015 e 2019, também foram as mais altas já registradas. O mesmo aconteceu na década entre 2010 e 2019. Desde os anos 80, cada década é mais quente que a anterior.

Tendência

A agência da ONU espera que a tendência continue, devido aos níveis recordes de gases de efeito estufa que retêm o calor na atmosfera.

A temperatura global anual em 2019 foi 1,1 ° C mais quente que a média entre os anos de 1850 e 1900, usada para representar os valores pré-industriais. O ano de 2016 continua sendo o mais quente, devido a uma combinação de um evento El Niño muito forte, com impacto de aquecimento e mudanças climáticas de longo prazo.

Em nota, o secretário-geral da OMM, Petteri Taalas, disse que "na trajetória atual, o mundo caminha para um aumento de temperatura de 3 a 5 graus Celsius até o final do século."

Consequências

A década passada ​foi marcada por uma diminuição das quantidades de gelo, níveis recordes da subida do mar, aumento do calor, acidificação dos oceanos e condições climáticas extremas. Segundo a OMM, a combinação desses fatores “teve grandes impactos na saúde e no bem-estar dos seres humanos e do meio ambiente.”

Para Petteri Talas, “o ano de 2020 já começou da mesma forma que 2019 terminou.” Ele destacou a situação na Austrália, dizendo que o país “teve o ano mais quente e seco alguma vez registrado” e que isso contribuiu para “enormes incêndios florestais que foram arrasadores para pessoas, propriedades, vida selvagem, ecossistemas e meio ambiente.”

O chefe da OMM disse que, infelizmente, espera “ver muito clima extremo ao longo de 2020 e nas próximas décadas."

Foto: Serviços de Emergência e Incêndio de Queensland
Relatórios da Austrália mostram que mais de 10 milhões de hectares, uma área do tamanho da Inglaterra, queimaram na segunda semana de janeiro.

Oceanos

Mais de 90% do excesso de calor é armazenado nos oceanos e, por isso, a sua temperatura é uma boa forma de quantificar a taxa de aquecimento global.

Em 2019, as águas atingiram um nível recorde. Os últimos cinco anos e a última década também foram os períodos mais quentes desde que são feitos estes registros.

 

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Pnuma quer mais preparação para lidar com “megaincêndios” no mundo

Grandes incêndios florestais na Austrália, na Amazônia, na Califórnia, na bacia do Congo e na Indonésia chamaram a atenção do mundo para os riscos de longos períodos de clima excepcionalmente quente e seco; ocorrências seriam um dos efeitos das mudanças climáticas.