Guterres "profundamente preocupado" com situação nuclear na Coreia do Norte
BR

1 janeiro 2020

Líder norte-coreano, Kim Jong-Un, anunciou fim da moratória em testes nucleares; secretário-geral afirmou que não-proliferação deste tipo de armamento continua sendo pilar fundamental da segurança global.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, está profundamente preocupado com a declaração da Coreia do Norte de que irá acabar com a moratória nos testes nucleares e de mísseis.

Em nota emitida pelo seu porta voz, o chefe das Nações Unidas afirmou "esperar muito que os testes não sejam retomados, de acordo com as resoluções relevantes do Conselho de Segurança."

O presidente dos EUA, Donald Trump, cumprimenta o líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un, na Zona Desmilitarizada Coreana, que separa a Coreia do Norte e do Sul em 30 de junho de 2019. Foto: Casa Branca/Shealah Craighead

Importância

Para António Guterres, "a não proliferação continua sendo um pilar fundamental da segurança nuclear global e deve ser preservada."

O secretário-geral mostrou, uma vez mais, o seu apoio "à retomada de um diálogo que leve à desnuclearização completa e verificável da Península Coreana." Para ele, "o engajamento diplomático é o único caminho para a paz sustentável."

Segundo agências de notícias, o líder da Coreia do Norte disse na terça-feira que já não se sente constrangido pela moratória que ele próprio impôs, há dois anos, enquanto decorriam negociações com os Estados Unidos.

Na mesma mensagem, Kim Jong-Un criticou exercícios militares norte-americanos com Seul, a capital da Coreia do Sul, e novas sanções.

 

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Aiea: Irã deve cooperar com agência atômica da ONU sobre programa nuclear

Diretor-geral interino, Cornel Feruta, diz que país precisa colaborar para resolver “questões em aberto”; há relatos de uso de partículas de urânio que não tinham sido declaradas; na próxima semana, técnicos da Aiea viajarão a Teerã, capital do Irã, para reuniões sobre o tema.