Encontro mundial sobre refugiados abre em Genebra após “década de deslocamento”
BR

16 dezembro 2019

Primeiro Fórum Global de Refugiados busca gerar novas abordagens e compromissos de longo prazo; campanha do Acnur reúne celebridades, ativistas e refugiados para reunir apoio em torno da mensagem central do Fórum.

Começou nesta segunda-feira, 16 de dezembro, em Genebra, na Suíça, um encontro de três dias destinado a transformar a maneira como o mundo responde à situação de refugiados.

O primeiro Fórum Global de Refugiados reúne chefes de estado e de governo, líderes da ONU, instituições internacionais, organizações de desenvolvimento, líderes empresariais e representantes da sociedade civil.

Refugiados

A Agência das Nações Unidas para Refugiados, Acnur, está co-organizando o evento juntamente com a Suíça e cooperação da Costa Rica, da Etiópia, da Alemanha, do Paquistão e da Turquia. O objetivo é gerar novas abordagens e compromissos de longo prazo para ajudar os refugiados e as comunidades de acolhimento.

Em todo o mundo, mais de 70 milhões de pessoas estão deslocadas por causa de guerras, conflitos e perseguições. Mais de 25 milhões delas são refugiados que fugiram através das fronteiras internacionais e não puderam voltar para suas casas.

Guterres

Falando a funcionários da ONU, o secretário-geral, António Guterres, disse que "o multilateralismo continua sendo a resposta mais eficaz a desafios crescentes em todo o mundo, que vão do clima ao conflito e ao deslocamento da população."

O alto comissário da ONU para os refugiados,  Filippo Grandi, alertou que o mundo está "emergindo de uma década de deslocamento durante o qual o número de refugiados aumentou."

Para Grandi, o Fórum é uma oportunidade de atestar o “compromisso coletivo com o Pacto Global sobre Refugiados e apoiar as aspirações dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável de não deixar ninguém para trás. ”

Pacto

Segundo o Acnur, o Pacto Global sobre Refugiados abre caminho para que todos assumam a responsabilidade e desempenhem um papel, incluindo governos, setor privado, agências de desenvolvimento, instituições financeiras, sociedade civil, grupos religiosos e os próprios refugiados.

As contribuições feitas no Fórum devem incluir temas como assistência financeira, técnica e material, mudanças legais e políticas.

Discussões

Os três dias de discussões se concentrarão em seis áreas principais, incluindo compartilhamento de encargos e responsabilidades, educação, empregos e meios de subsistência, energia e infraestrutura, soluções e capacidade de proteção.

Durante o evento, haverá muitas oportunidades para compartilhar iniciativas e boas práticas, demonstrando como o Pacto Global sobre Refugiados pode fazer a diferença.

O Fórum também examinará como as respostas humanitárias e de desenvolvimento podem se complementar. Além disso, mais de 100 empresas e fundações estarão presentes e devem se comprometer com empregos, finanças e outras formas de assistência.

Campanha

Nesta segunda-feira, o Acnur também lançou uma nova campanha de mídia social que celebra a força, a resiliência e as competências que os refugiados podem trazer para suas novas comunidades.

A campanha é apoiada por Embaixadores da Boa Vontade, ativistas e prefeitos de todo o mundo. Todos são convidados a compartilhar histórias e vozes de refugiados, criando um momento de ação e solidariedade.

Mensagem

A mensagem central da iniciativa é que "todos têm um papel a desempenhar" e destaca como se pode ajudar a combater a xenofobia, a intolerância e o medo e capacitar os refugiados para reconstruir seu futuro.

Como parte da campanha, o Acnur produziu um vídeo com celebridades como Ben Stiller e Cate Blanchett e outros ativistas.  Os participantes dizem que “algo precisa mudar” e que “chegou a hora de ver os refugiados de maneira diferente”.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Agência da ONU elogia decisão do Brasil de reconhecer milhares de venezuelanos como refugiados

Decisão anunciada pelo Comitê Nacional de Refugiados do Brasil, Conare, beneficiará cerca de 21 mil venezuelanos; porta-voz da agência disse que “medida constitui um marco na proteção de refugiados na região”.