Primeira brasileira vencedora do prêmio Jovens Campeões da Terra quer “salvar vidas na África”
BR

17 setembro 2019

Projeto de Anna Luísa Beserra purifica água por meio de radiação ultravioleta e teve inspiração no Semiárido do país; angolana Adjany Costa foi outra dos sete premiados.

Sete jovens empreendedores com menos de 30 anos foram reconhecidos por suas grandes ideias para mudanças ambientais. Entre os novos Jovens Campeões da Terra, anunciados nesta terça-feira, está Anna Luísa Beserra, que venceu na categoria América Latina e Caribe.

A brasileira de 21 anos criou o Aqualuz, uma tecnologia que purifica água por meio de radiação ultravioleta. O dispositivo é acoplado às cisternas, reservatórios de coleta de água da chuva comumente utilizados no Semiárido brasileiro, e elimina 99,9% das bactérias, sem usar nenhum produto químico.

O Aqualuz é uma invenção de baixo custo, fácil manutenção e pode durar até 20 anos., by Pnuma/Todd Brown

Prêmio

O Jovens Campeões da Terra é o principal prêmio da ONU para jovens de 18 a 30 anos com ideias inovadoras e arrojadas para solucionar os desafios ambientais mais urgentes do nosso tempo. Em entrevista à ONU News de Salvador, no Brasil, Anna falou sobre o incentivo que a conquista traz para o Aqualuz.

“Foi algo surpreendente que inclusive eu comentava com a equipe que eu não tinha a esperança e nem expectativa nenhuma de ganhar essa premiação pelo grau de importância que ela tinha e pela maturidade do projeto. Só a notícia foi espetacular, compartilhar com a equipe, todo mundo se emocionou, ficou bem animado, e a gente começou até a ficar mais motivado para já na premiação conseguir levar o máximo de resultados possível, com mais exportações, mais avanços na tecnologia, tudo voltado para beneficiar as pessoas que mais precisam no semiárido do acesso à água potável.”

Água

A água é um recurso fundamental para a vida no planeta. Porém, de acordo com a ONU, o acesso à água potável ainda não é uma realidade para mais de um quarto da população mundial.

As doenças diarreicas estão entre as principais causas de morte em todo o mundo, e estão diretamente ligadas à falta de água potável e à falta de saneamento e de acesso à higiene. As Nações Unidas apontam que esses problemas atingem principalmente populações jovens, vulneráveis ou que vivem em zonas rurais remotas.

Semiárido

Anna, que é da Bahia, contou à ONU News que o Aqualuz iniciou de uma forma simples e que a inspiração veio da realidade do Semiárido no Brasil, no nordeste do país.

“O Aqualuz surgiu quando eu ainda tinha 15 anos e estava no ensino médio, e como eu sempre quis ser cientista, surgiu uma grande oportunidade que foi participar do prêmio Jovem Cientista do Cnpq. Em 2013, era o ano internacional pela cooperação da água e então o tema era água. E daí, como eu sou de Salvador, sou baiana, apesar de nunca ter morado no interior e no semiárido de fato, eu sempre soube da necessidade de acesso à água dessa região. E foi algo que eu escolhi trabalhar de uma forma que eu pudesse desenvolver uma tecnologia que fosse simples e viável para aplicar nessas regiões.”

A brasileira, de 21 anos, criou o Aqualuz, uma tecnologia que purifica água por meio de radiação ultravioleta., by Pnuma/Todd Brown

A diretora executiva do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente, Pnuma, Inger Andersen, destacou que o "planeta com estresse hídrico está sofrendo o peso da extração incessante, da poluição e da mudança climática.”

Para ela, é vital que se encontrem “novas formas de proteger, reciclar e reutilizar este precioso recurso” e que “tornar a água potável acessível e segura a todos e todas é vital para atingirmos os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável".

Futuro

De acordo com o Pnuma, o Aqualuz é uma invenção de baixo custo, fácil manutenção e pode durar até 20 anos. A iniciativa já distribuiu água potável para 265 pessoas e alcançará mais 700 ainda este ano.

Embora tenha sido testado apenas no Brasil, o dispositivo tem potencial para ser aplicado em outros países. Os vencedores do Jovens Campeões da Terra receberão o prêmio durante Cerimônia em Nova Iorque no dia 26 de setembro, coincidindo com a reunião anual da Assembleia Geral das Nações Unidas e a Cúpula de Ação Climática.

África e Ásia

Anna quer aproveitar a chance para expandir os horizontes do Aqualuz.

“Esse prêmio fornece uma grande oportunidade para a gente de fazer conexões com pessoas na África e até na Ásia para tentar expandir essa tecnologia. Já disse para a equipe que a gente vai levar uma unidade na mala para poder entregar a alguém que possa levar e implantar em algum país do continente Africano. Eu já estou mirando, na verdade, uma ganhadora da África, que é uma Angolana, e aí eu vou tentar fazer contato com ela e convencer ela a nossa ajudar de expandir o Aqualuz e já tentar salvar vidas na África.”

Uma iniciativa de Angola também venceu o prêmio Jovens Campeões da Terra. A premiada é Adjany Costa, que se destacou por seus esforços para conservar água e a biodiversidade no país.

Jovens Campeões da Terra

Este ano, o concurso Jovens Campeões da Terra recebeu mais de 1 mil inscrições. Destas, 158 foram do Brasil.

Fora Anna, outros três jovens brasileiros ficaram entre os 35 finalistas. Bernado Andrade com um projeto de bioconstrução para o Semiárido, Bárbara Schorchit e sua tecnologia para rastrear a biodiversidade e Felipe Villela,  com um projeto de agroflorestas.

Lançado em 2017, o prêmio é inspirado na distinção Campeões da Terra, que é aberta a pessoas de todas as idades e continua sendo a maior honra ambiental das Nações Unidas.

Com esta iniciativa, o Pnuma procura envolver jovens visionários e motivar a próxima geração de criadores de mudanças e líderes de pensamento. O prêmio é oferecido pela Covestro, uma fabricante de materiais para o desenvolvimento sustentável. 

Cada um dos sete vencedores receberá US$ 15 mil para desenvolver seus projetos e US$ 9 mil para investir em comunicação e comercialização, além de formação, orientação e convites para participar de reuniões de alto nível da ONU.

O Pnuma destaca que no próximo ano, “as criativas, inovadoras e impactantes iniciativas dos campeões” serão documentadas nas mídias sociais por meio de atualizações regulares em notícias e vídeo-blogs. Inscreva-se e acompanhe a jornada deles aqui

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Bióloga angolana Adjany Costa vence prémio Jovens Campeões da Terra

Ambientalista foi escolhida pelos esforços de conservação de água e biodiversidade; brasileira Anna Luísa Beserra foi outra dos sete premiados; distinção é entregue em Nova Iorque a 26 de setembro.

Ativista Greta Thunberg chega a Nova Iorque em veleiro com zero emissões

Cerca de 14 dias depois de partir do Reino Unido, a jovem sueca terminou travessia oceânica para alertar para mudança climática; Thunberg participa em setembro na Cúpula do Clima da Juventude e da Cúpula de Ação Climática nas Nações Unidas.