Comissão da ONU paga US$ 270 milhões ao Kuwait devido à invasão em 1990 pelo Iraque

23 julho 2019

Órgão subsidiário do Conselho de Segurança recebeu aproximadamente 2,7 milhões de reclamações; cerca de US$ 52,4 bilhões já foram pagos pelas reclamações; maior  reivindicação é de cerca de US$ 3,7 bilhões e ainda não foi paga.

A Comissão de Compensação das Nações Unidas, Uncc, colocou esta terça-feira US$ 270 milhões ao dispor do Governo do Kuwait devido à invasão do país em 1990 pelo Iraque.

Com este montante, sobe para cerca de US$ 52,4 bilhões o valor atribuído a mais de 100 governos e organizações internacionais por 1,5 milhão de reivindicações de várias categorias.

Resoluções

Cerca de US$ 48,7 bilhões já foram pagos pela Comissão de Compensação das Nações Unidas, que foi estabelecida em 1991 de acordo com as resoluções 687 e 692 do Conselho de Segurança.

O objetivo do órgão subsidiário do Conselho é processar reclamações e “pagar indenizações por perdas e danos incorridos por indivíduos, corporações, governos e organizações internacionais devido à invasão do Iraque e a ocupação do Kuwait” entre agosto de 1990 e março de 1991.

Reclamações 

No total, a Comissão recebeu aproximadamente 2,7 milhões de reclamações e concluiu sua análise em 2005.

Apenas uma reivindicação, no valor de  US$ 3,7 bilhões, está ainda por pagar. A reclamação corresponde a perdas de produção e vendas devido a danos causados aos ativos de um campo de petróleo do Kuwait.

Este representa o maior montante a ser atribuído pelo Conselho de Governança da Comissão, que é atualmente presidido pela Polônia.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Conselho de Segurança pede “contenção máxima” na região do Golfo

Encontro a portas fechadas discutiu incidentes envolvendo Estados Unidos e Irã; secretário-geral da ONU pediu “nervos de aço” aos envolvidos; Estados-membros do Conselho dizem que ataques a navios petroleiros ameaçam paz e segurança.