Guterres recebeu Prêmio Carlos Magno: “Darei sempre o meu melhor na defesa apaixonada dos valores do pluralismo”

30 maio 2019

Reconhecimento pela defesa dos valores europeus foi feito em evento na Alemanha; chefe da ONU discursou em cinco línguas, incluindo português; secretário-geral prometeu fazer o que está ao seu alcance para manter valores essenciais da humanidade.

O secretário-geral da ONU recebeu esta quinta-feira o Prêmio Carlos Magno Internacional em cerimônia realizada em Aachen, na Alemanha. O reconhecimento é pela defesa dos valores europeus.

Em seu discurso de agradecimento, António Guterres também falou em português prometendo preservar valores essenciais da humanidade.

Dignidade

“Como secretário-geral das Nações Unidas, não tenho outros poderes senão a persuasão e o apelo à razão. Posso assegurar-vos que darei sempre o meu melhor na defesa apaixonada dos valores do pluralismo, da tolerância, do diálogo e do respeito mútuo para construir um mundo de paz, justiça e dignidade humana. Obrigado.”

As declarações foram feitas em outras quatro línguas: espanhol, alemão, inglês francês. Guterres disse que "as Nações Unidas precisam de uma Europa forte e unida." Segundo ele, "para isto acontecer, a Europa precisa resolver alguns desafios sérios."

O chefe da ONU disse que, como europeu comprometido, esse reconhecimento é especialmente significativo e “uma homenagem ao compromisso, serviço e sacrifício de mulheres e homens do mundo”.

Guterres ressaltou ainda a “exemplar parceria” entre as Nações Unidas e a União Europeia, dizendo que são os “maiores projetos de paz de nossos tempos”.

O chefe da ONU apontou, entretanto, o que considera alguns contratempos e o que chamou de uma ansiedade arrebatadora.

Pós-Guerra

Entre os pontos do discurso, o secretário-geral descreveu um período atual no qual “nunca as instituições do pós-guerra mundial e seus valores foram tão corroídos e postos à prova”.

Segundo o representante, “os conflitos se tornaram mais complexos e interligados do que nunca.” Como resultado disso, “ocorrem violações terríveis do direito internacional humanitário e abusos dos direitos humanos.”

Para Guterres, a “agenda dos Direitos Humanos vem perdendo terreno para a agenda da soberania nacional, um pouco por toda parte”.

Outra questão mencionada no discurso foi a fuga forçada de pessoas de suas casas em “escala invisível em décadas”. Essa situação acontece quando “vários abrigos têm portas fechadas, nomeadamente na Europa”.

Guterres declarou ainda que “os princípios democráticos estão sob cerco e o Estado de direito está sendo minado”.

Os desafios atuais incluem ainda o aumento das desigualdades e o “discurso de ódio, o racismo e a xenofobia que alimentam o terrorismo através das redes sociais”.

O chefe da ONU disse que a atual geração pode enfrentar implicações morais de um sistema de armas autônomo que poderia, por si só, ter como alvo e atacar os seres humanos e que, por isso, “tem defendido fortemente a sua proibição”.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Guterres defende tributação da poluição, não das pessoas

Na Cimeira Mundial Austríaca R20, secretário-geral defende ainda que devem acabar os subsídios para os combustíveis fósseis; chefe da ONU considera ação climática benéfica para as pessoas, para o planeta e para as empresas

Na Áustria, Guterres pede união em prol da ação climática na véspera de cimeira mundial  

Representantes internacionais participam na abertura da Cimeira Mundial Austríaca R20 nesta terça-feira; secretário-geral pede compromissos nacionais "muito mais ambiciosos"; chefe da ONU discutiu ação dos jovens em evento onde participou a ativista do clima Greta Thunberg.