Na Áustria, Guterres pede união em prol da ação climática na véspera de cimeira mundial  

27 maio 2019

Representantes internacionais participam na abertura da Cimeira Mundial Austríaca R20 nesta terça-feira; secretário-geral pede compromissos nacionais "muito mais ambiciosos"; chefe da ONU discutiu ação dos jovens em evento onde participou a ativista do clima Greta Thunberg.

O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, está em Viena para participar na Cimeira Mundial Austríaca R20 que a partir desta terça-feira reúne representantes internacionais. 

A meta da plataforma é apoiar regiões, Estados e cidades em ações para implementar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, ODSs, e ajudar a aplicar as metas do Acordo de Paris sobre alterações climáticas.

Paz e Segurança

Em declarações a jornalistas ao lado do presidente austríaco Alexander Van der Bellen, Guterres destacou a passagem do 40º aniversário do Centro Internacional de Viena que acolhe agências das Nações Unidas.

O chefe da ONU disse estar convencido de que o trabalho que ainda será feito pelas partes é crucial para preservar a paz, a segurança e criar condições para evitar níveis de tensão que têm tornado difíceis as ações nesse sentido no mundo.

O secretário-geral declarou ainda que é para ele muito importante participar na Cimeira Mundial Austríaca sobre o clima, quando é preparada a Cimeira do Clima das Nações Unidas agendada para setembro.

O representante da ONU mencionou exemplos de vulnerabilidade como o da ilha de Tuvalu no Pacífico, de Moçambique e de efeitos como as ondas de calor acentuadas e com temperaturas "muito mais altas" na Europa. Ele sublinhou que é preciso reverter a tendência atual em que as mudanças climáticas avançam mais rápido que as ações humanas.

Alterações

O secretário-geral disse ainda que é necessário um compromisso muito mais ambicioso dos países em 2020, nas medidas a serem apresentadas para mitigação, adaptação e financiamento com vista a conter as alterações do clima.

Guterres considera um absurdo cobrar impostos sobre salários e não as emissões de carbono, desencorajou a construção de centrais de carvão e incentivou a neutralidade de carbono até 2050. 

Guterres debateu a ação dos jovens na ação climática em outra sessão em Viena, onde esteve a ativista do clima sueca Greta Thunberg.

Antes, o secretário-geral apontou a diversidade como uma riqueza e não uma ameaça na Europa marcada por sociedades multiétnicas, multirreligiosas e multiculturais.

Música

Falando no concerto do violoncelista e mensageiro das Nações Unidas da Paz, Yo-Yo Ma, Guterres destacou que a música é uma linguagem universal que une, simboliza a paz e representa a diversidade. 

ONU Viena/Nicoleta Haffar
O secretário-geral da ONU, António Guterres, esteve no concerto com o violoncelista e mensageiro da Paz da ONU, Yo-Yo Ma, em Viena.

O chefe da ONU lembrou que em cada país ou região nacional se observam várias expressões musicais no talento de pessoas diferentes, numa diversidade que “é uma enorme riqueza, não uma ameaça". Segundo ele, isso é necessário no mundo atual.

O representante disse ainda que a diversidade requer investimento nas áreas social, cultural, política, religiosa e às vezes na coesão social.

Para o secretário-geral, a música é uma ferramenta essencial para promover valores humanos, especialmente quando se debatem temas como a atual situação da mobilidade humana. 

Traficantes

Para ressaltar que a migração carece de investimento, Guterres disse que não se deve permitir que contrabandistas e traficantes controlem fluxos migratórios, provoquem sofrimento e criem problemas na coesão social dos países.

Outra área que precisa de investimento, segundo o representante, é a cooperação internacional e as formas adequadas de integração de refugiados e migrantes.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

ONU quer “impedir que Tuvalu afunde", e que o mundo afunde com a ilha

No Pacífico, secretário-geral alerta para perigos da mudança climática; ponto mais alto tem apenas cinco metros de altura no país que é um dos mais ameaçados pela subida do nível dos mares.

Cobertura Especial: temporada de ciclones em Moçambique

País foi atingido pelo ciclone Kenneth, seis semanas depois do ciclone Idai ter deixado um rasto de destruição; área mais afetada pelo ciclone Kenneth é a província moçambicana de Cabo Delgado.