ONU alerta para impacto ambiental da produção de cacau
BR

20 abril 2019

Derrubada de florestas para novas plantações de cacau contribui para destruição de ecossistemas e erosão do solo; toda a floresta tropical marfinense pode ser perdida até 2030.

É no período da Páscoa que aumentam as encomendas de ovos e coelhos de chocolate em todo o mundo. Entretanto, de acordo com o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente, Pnuma, é importante pensar sobre a origem desse produto e qual o seu impacto ambiental.

Segundo a agência, existem em torno de 5 milhões a 6 milhões de agricultores de cacau em todo o planeta. De acordo com a Organização Internacional do Cacau, em torno de 70% do produto do mundo é cultivado em pequenas propriedades.

A Cote d’Ivoire, também conhecida como Costa do Marfim, é o maior produtor de cacau do mundo e tem o maior contingente de pequenos produtores. Foto: Pnud Guatemala/Caroline Trutmann

Impactos

O Pnuma chama a atenção para a dificuldade de monitorar, gerir e trabalhar com pequenos produtores, devido ao grande número desses trabalhadores.

A má gestão dos cacaueiros existentes leva à baixa produtividade e à derrubada de florestas para novas plantações. A atividade contribui para a destruição de ecossistemas, a perda da biodiversidade, a erosão do solo e a sedimentação em córregos.

Produção

A Cote d’Ivoire, também conhecida como Costa do Marfim, é o maior produtor de cacau do mundo e tem o maior contingente de pequenos produtores. Entretanto, o desmatamento permanece uma grande ameaça aos ecossistemas, sendo responsável pela perda de 64% das florestas do país entre 1990 e 2015.

De acordo com o Pnuma, se essa tendência continuar, a Costa do Marfim poderá perder toda a sua floresta tropical até 2030.

Segundo o oficial de programas para Sistemas Alimentares e Agricultura Sustentáveis da ONU Meio Ambiente, James Lomax, “o cacau é um fornecedor fundamental de meios de subsistência para milhões de pessoas no Oeste da África e a demanda por chocolate sempre será forte”.

Pnud Guatemala/Caroline Trutmann
Pequenos agricultores na Guatemala preparam o cacau para fazer chocolate. 70% do produto do mundo é cultivado em pequenas propriedades

Conscientização

O especialista destaca a importância do trabalho em conjunto da indústria e do governo para transformar o setor cacaueiro em um modelo sustentável e uma agricultura livre de desmatamento.

Segundo o representante, “empreendedores podem desempenhar um papel fantástico não apenas na oferta de chocolate de qualidade para que os marfinenses aproveitem, mas também na educação e na conscientização da atual situação na Costa do Marfim”.

De acordo com o Pnuma, fabricantes de chocolates da região estão cientes dos desafios na indústria e apoiam cada vez mais os pequenos agricultores locais a produzirem sementes orgânicas de cacau.

 

 

 

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

ONU: “Aprenda a amar as florestas” é lema para incentivar educação

Tema do Dia Internacional das Florestas de 2019 foca na educação; florestas cobrem um terço da massa terrestre do planeta, desempenhando funções vitais e apoiando subsistência de 1,6 bilhão de pessoas.

“Biodiversidade que sustenta o sistema alimentar está desaparecendo”, alerta a FAO

Novo estudo indica que América Latina e Caribe apresentam maior queda de espécies de alimentos silvestres; região é seguida pela Ásia e Pacifico e África; Brasil identificou 1.173 espécies da fauna ameaçadas de extinção.