Novo teste de sangue ajuda a identificar pessoas com risco de câncer de pulmão
BR

12 julho 2018

Segundo estudo, divulgado nesta quinta-feira, será mais fácil perceber quem deve fazer rastreios regulares; doença é responsável por 20% de todas as mortes causadas por câncer em todo o mundo.

Um novo teste de sangue pode ajudar a identificar pessoas com tendência a desenvolver câncer de pulmão. A constatação é de um estudo da Agência Internacional para  Pesquisa sobre Câncer, Iarc.

A agência da Organização Mundial da Saúde, OMS, diz que a análise permite aos países desenvolver melhores planos de prevenção e rastreio.

Teste

A pesquisa foi publicada esta quinta-feira, na revista especializada Jama Oncology, e descreve uma técnica nova que avalia quatro marcadores biológicos de proteínas.

Um dos autores principais do estudo, Mattias Johansson, disse que “usando estes quatro marcadores e a informação sobre hábitos de fumo, foi possível identificar 63% de futuros pacientes de câncer do pulmão entre fumantes e ex-fumantes”.

Como exemplo, o método usado nos Estados Unidos tem uma taxa de sucesso de 42%. Johansson acredita que “o teste tem o potencial de melhorar de forma significativa a identificação de indivíduos que devem ser rastreados”.

Prevenção

O câncer de pulmão é responsável por 20% de todas as mortes causadas pela doença em todo o mundo. A OMS lembra que reduzir o consumo de tabaco é a melhor forma de prevenir esse tipo de câncer, assim como outros tipos associados ao fumo.

Apesar disso, a agência da ONU diz que o aumento de rastreio para pessoas em risco pode reduzir os níveis de mortalidade, detectando a doença numa fase inicial, quando o tratamento ainda pode ser eficaz.

O chefe da seção de Genética da Iarc, Paul Brennan, explica que "este é o primeiro estudo a demonstrar, sistematicamente, que um painel de marcadores de proteína pode melhorar a identificação de futuros casos de câncer de pulmão";

O diretor da Iarc, Christopher Wild, lembrou que “evitar fumar é a melhor maneira de reduzir o risco de desenvolver câncer de pulmão, mas entre fumantes e ex-fumantes a detecção precoce tem um papel fundamental na redução das mortes”.

Apresentação: Monica Grayley.