Conflito e pobreza afetam uma entre quatro crianças iraquianas
BR

22 janeiro 2018

Unicef gere no país uma de suas maiores operações no mundo;  violência extrema afeta a vida de 4 milhões de menores, que têm suas “infâncias roubadas e vão carregar as marcas do trauma por toda a vida”.

Leda Letra, da ONU News em Nova Iorque. 

O Fundo das Nações Unidas para a Infância, Unicef, coordena no Iraque uma de suas maiores operações humanitárias no mundo, tentando atender às necessidades de meninos e de meninas.

A agência explica que 4 milhões de crianças, ou uma entre quatro, sofrem os impactos da violência extrema no país. Somente no ano passado, foram 270 menores mortos.

Infância roubada

A pobreza e o conflito interromperam o ensino escolar de 3 milhões de crianças e mais de um quarto de todos os menores iraquianos vivem na pobreza, especialmente em áreas rurais.

Segundo o Unicef, essas crianças têm “suas infâncias roubadas” e muitas vão carregar, “ por toda a vida, as marcas físicas e psicológicas da exposição a uma brutalidade sem precedentes”.

Poder de destruição

Mais de 1 milhão de menores foram obrigados a abandonar suas casas. O Unicef destaca que na semana passada, bombardeios atingiram Bagdá e a violência, além de matar, destrói escolas, hospitais, casas e estradas.

Na cidade de Mossul, o diretor regional do Unicef, Geert Cappelaere, conheceu crianças que vivem o peso do confronto há três anos. Segundo ele, “a raça humana provou, mais uma vez, seu enorme poder de destruir”.

Mas na sua visita a Mossul ele também viu a determinação das pessoas em “reconstruir e seguir com suas vidas, com crianças falando sobre suas aspirações e felizes em poder brincar e voltar a estudar”.

O Unicef renova o apelo às partes em conflito no Iraque, para que acabem com a violência e assim, permitam que as famílias tenham uma vida segura, digna e protegida de danos.

Notícias relacionadas:

ONU condena explosões que mataram pelo menos 35 em Bagdá

Bagdá foi a cidade iraquiana mais afetada pela violência em dezembro