Campanha apoiada pela ONU trata 100 vítimas da fístula na Guiné-Bissau

Campanha de tratamento da fístula obstétrica na Guiné-Bissau.  Foto: Irin/Prince Collins

Campanha apoiada pela ONU trata 100 vítimas da fístula na Guiné-Bissau

Chefe do Unfpa fala da importância de mulheres recorrerem aos hospitais para o parto; equipa é comandada por médico que fala português;  iniciativa decorre durante uma semana no maior hospital.

Amatijane Candé, da Rádio ONU em Nova Iorque.

O Fundo das Nações Unidas para a População, Unfpa, anunciou o apoio à campanha de tratamento da fístula obstétrica na Guiné-Bissau. Uma centena de pacientes deve beneficiar da iniciativa que decorre esta semana.

A Rádio ONU falou com a representante do Unfpa no país na qualidade de agência que apoia a campanha promovida pelo governo guineense. As mulheres serão tratadas por técnicos nacionais do maior hospital do país.

Especialista

Kourtoum Nacro explicou os principais objetivos da iniciativa, tendo realçado o facto inédito de os trabalhos serem presididos por um especialista que fala português.

“O Doutor Igor Vaz, chefe dos Serviços da Urologia do Hospital Central de Maputo está a liderar esta campanha e ele fala português. Trata-se da primeira campanha a ser liderada por um professor que fala português, contrariamente à campanha anterior liderada por um senegalês.”

Formação

Os cirurgião moçambicano que lidera o grupo deve realizar cirurgias de casos complexos da fístula e urologia. As ações devem reforçar as capacidades dos médicos nacionais sobre a matéria para combater a mortalidade materna.

A responsável destacou aprevisão de tratar 30 casos de fístulas complexas, 53 de incontinência urinária, bem como casos complexos de urologia. Para Nacro, a doença resulta de partos prolongados.

“As populações não devem marginalizar as mulheres que padecem desta patologia. Ela resulta de partos prolongados, é importante fazer os trabalhos de parto nos hospitais e não fora deles. Assim em caso de dificuldade recorre-se a cesariana, evitando problemas de fístula”.

Apoio Técnico

Na segunda-feira, o lançamento oficial da campanha foi presidido pela ministra da Saúde Pública (nome).

Cerca de 231 mulheres foram operadas gratuitamente de fístula obstétrica na Guiné-Bissau entre 2009 e 2013 como apoio técnico e financeiro do Unfpa no âmbito do programa de prevenção, tratamento e inserção social das pacientes.