Ban pede transição inclusiva em mensagem sobre referendo no Egito

Ban pede transição inclusiva em mensagem sobre referendo no Egito

Milhares de cidadãos dão parecer sobre documento que prevê novas eleições; agências noticiosas falam de mortos devido a confrontos entre defensores e opositores do antigo presidente Mohammed Mursi.

Eleutério Guevane, da Rádio ONU em Nova Iorque.*

O Secretário-Geral lançou um apelo a todos os egípcios para que garantam que a próxima fase da transição seja conduzida de maneira inclusiva, pacífica e transparente.

Em nota divulgada nesta terça-feira, Ban Ki-moon pede que as diferenças sejam expressadas sem violência. O processo de referendo de Constituição, que prevê a realização de novas eleições no país, terá a duração de dois dias.

Confrontos

O Secretário-Geral disse que está a seguir de perto o processo, tendo salientado a importância do respeito à liberdade de reunião e de expressão, bem como o compromisso com a não-violência.

Ban Ki-moon reafirma o apoio das Nações Unidas a um “processo de transição liderado pelos egípcios, que vá de encontro com os princípios democráticos e defenda os direitos humanos dos cidadãos”.

Segurança

De acordo com agências de notícias, o primeiro dia do referendo foi marcado por várias mortes em confrontos entre defensores e opositores do presidente Mohammed Mursi, deposto em junho.

Os relatos afirmam que a votação decorre perante uma operação de segurança com mais de 160 mil soldados e 200 mil polícias em todo o país.

*Apresentação: Denise Costa.