Iniciativa da ONU usa tecnologia móvel para combate a doenças

Iniciativa da ONU usa tecnologia móvel para combate a doenças

Duas agências lançaram um projeto que pretende salvar milhões de vidas através da monotorização de telemóveis de algumas das doenças não transmissíveis mais comuns como diabetes.

João Rosário, da Rádio ONU em Lisboa.

A União Internacional de Telecomunicações, UIT, e a Organização Mundial da Saúde, OMS, lançaram esta quarta-feira uma nova parceria para ajudar no combate às doenças não-transmissíveis como diabetes,  cancro, doenças cardiovasculares e respiratórias crónicas.

A parceria tem o nome de Iniciativa ‘m-Saúde’ e as duas organizações propõem-se a usar a tecnologia móvel, em particular as mensagens de texto e aplicações, na luta contra as doenças.

Experiência de sucesso

O director-geral assistente da OMS para as doenças não-transmissíveis, Oleg Chestnov, disse que “a OMS já está a usar dispositivos de telecomunicações móveis na vigilância de várias doenças e dos seus factores de risco”.

Segundo Chestnov, a “vigilância Global dos Tabaco nos Adultos é um exemplo de um sistema que usa telemóveis para recolher dados sobre o uso do tabaco em 17 países, com uma cobertura de metade da população do mundo”.

A OMS e a UIT estão a testar o uso destes meios de comunicação na ajuda para quem quer deixar de fumar, para promover a actividade física e uma alimentação mais saudável.

Todos os anos, morrem 57 milhões de pessoas no mundo. Destas, 36 milhões são vítimas de doenças não-transmissíveis.

Menos custos

Através do uso da tecnologia dos telemóveis, a iniciativa ‘m-Saúde’ pretende ajudar a salvar vidas, a diminuir o tempo de doença e de incapacidade e a reduzir significativamente os custos dos cuidados de saúde.

Através da parceria, a OMS e a UIT pretendem fornecer provas científicas e orientações para levar os parceiros a nível mundial, sobretudo os governos, a porem em prática medidas como a ‘m-Saúde’ que possam prevenir e tratar as doenças não-transmissíveis e os seus factores de risco mais comuns.