FAO participa na proposta para “eliminar a fome” na Cplp

FAO participa na proposta para “eliminar a fome” na Cplp

Documento deve ser entregue aos chefes de Estado e de governo na cimeira da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa em Maputo; evento, a decorrer esta sexta-feira, vai discutir segurança alimentar e nutricional.

[caption id="attachment_219084" align="alignleft" width="350" caption="FAO: segurança alimentar e nutricional"]

Manuel Matola, da Rádio ONU em Maputo.

A Organização da ONU para a Agricultura e Alimentação, FAO, anunciou a produção de uma proposta de erradicação da fome na Comunidade de Países de Língua Portuguesa, Cplp.

O documento, elaborado com entidades da sociedade civil dos países lusófonos que deve ser entregue aos chefes de Estado e de governo dos oito países-membros do bloco na IX conferência, a decorrer sexta-feira na capital moçambicana, Maputo.

Direitos

A coordenadora da FAO, Bárbara Ekwall, apelou aos líderes da Cplp para respeitarem os direitos humanos à alimentação.

“O direito à alimentação não constitui uma mera distribuição de comida, mas, sim, a criação de maneira progressiva de um ambiente favorável onde cada pessoa pode alimentar-se por seus próprios meios com dignidade. Os Estados têm a obrigação de respeitar, proteger e realizar o direito à alimentação”, referiu.

Malnutrição

Dados do secretariado executivo da Cplp indicam que 28 milhões de habitantes desta comunidade, na maioria menores de cinco anos, sofrem de malnutrição.

O ministro dos Negócios Estrangeiros de Moçambique, Oldemiro Balói, assegurou que a prioridade da presidência moçambicana da CPLP, a partir de  20 de julho, será a segurança alimentar e nutricional.

“Tendo em vista o alcance dos Objetivos de Desenvolvimento do Milénio, até 2015, precisamos de concentrar os nossos esforços neste domínio”, indicou.

A FAO e as organizações da sociedade civil da Cplp pedem, no entanto, que os governos adoptem ações concretas para acabar com a fome nos países de l português.