América Latina tem redução de pobreza, diz Cepal BR

América Latina tem redução de pobreza, diz Cepal

Relatório sugere, no entanto, estagnação de emprego em 2009; trabalhadores autônomos e informais sofrerão mais.

Mônica Villela Grayley, da Rádio ONU em Nova York.*

A Comissão Econômica para América Latina e Caribe, Cepal, informou que a pobreza na região baixou quase um ponto percentual passando de 34,1% no ano passado para 33,2% este ano.

A informação faz parte do relatório “Panorama Social da América Latina 2008”, lançado nesta terça-feira, em Santiago do Chile.

Leia o boletim de Leda Letra, da Rádio ONU em Nova York.

Indigência

“Segundo o documento, o continente tem agora 182 milhões de pessoas na pobreza. Mas, no próximo ano, uma tendência de estagnação nos níveis de emprego pode levar ao aumento do número de pobres. O estudo sugere que os trabalhadores autônomos e informais serão os mais afetados.

A secretária-executiva da Cepal, Alicia Bárcena, afirmou que os números projetados sobre pobreza e indigência refletem o impacto do aumento da inflação, registrado no início do ano passado.

Mesmo assim, nos últimos meses, houve queda no preço dos alimentos e combustíveis.

Remessas

Segundo o relatório da Cepal, a desaceleração econômica mundial terá um efeito na procura por bens de exportação e nos investimentos do setor produtivo latino-americano.

A crise nos países desenvolvidos também deve levar à queda no volume de remessas de dinheiro por parte de migrantes que vivem no exterior.”

O estudo da Cepal termina com uma análise sobre a delinqüência juvenil e familiar na América Latina. Segundo especialistas, o problema é causado, na maior parte, por desigualde de oportunidades, exclusão social entre outros fatores.

O documento cita o problema de recrutamento de jovens para redes de gangues urbanas como as chamadas maras, da América Central.