Proteção ao mogno da Amazônia BR

Proteção ao mogno da Amazônia

Discussão faz parte da reunião da Comissão da Convenção sobre Mercado Internacional de Espécies em Risco da Fauna e Flora, em Genebra.

Mônica Villela Grayley, Rádio ONU em Nova York.

Começou, nesta segunda-feira, o 57º encontro da Comissão da Convenção sobre Mercado Internacional de Espécies em Risco da Fauna e da Flora, Cites.

Cerca de 300 pessoas participam do encontro da Cites, em Genebra, na Suíça.

Autorização

Na agenda da reunião, está a origem do mogno extraído da Amazônia e a proteção ao uso e comercialização da madeira.

Um outro tema da pauta, é a quantidade de marfim bruto estocado em quatro países do sul da África. Em 1989, a ONU proibiu o comércio de marfim.

Apenas quatro países têm autorização para exportar o produto: Botsuana, Namíbia, África do Sul e Zimbábue.

Caça

Além disso, serão debatidos outros temas como a criação de tigres na Ásia e a caça ilegal de rinocerontes para uso de medicina tradicional.

O secretário-geral da Cites, Willem Wijnstekers, disse que o tema da conservação ambiental e do uso sustentável da biodiversidade foi discutido no encontro de cúpula do G-8, o Grupo dos Sete Países mais Industrializados do Mundo acrescido da Rússia, realizado na semana passada no Japão.