Tuberculose matou 1,5 milhão em 2006

Tuberculose matou 1,5 milhão em 2006

Relatório da OMS sugere que forma ultraresistente pode ser causa de redução de diagnósticos e tratamento.

Iara Luchiari, Rádio ONU em Nova York*.

Um estudo da Organização Mundial da Saúde, OMS, revela que 1,5 milhão de pessoas morreram de tuberculose em 2006.

Segundo o documento, “Controlo Global da Tuberculose 2008”, divulgado em Genebra, em 2006 foram registados mais 9,2 mihões de novos casos da doença.

Ultraresistente

O relatório foi publicado para coincidir com o Dia Mundial de Combate à Tuberculose.

Cerca de 700 mil deste total estavam relacionados com pacientes seropositivos.

Entre 2001 e 2005, a média de detecção de novos casos era de 6%, o número foi reduzido para 3% em 2006.

HIV

O ex-presidente de Portugal e o Enviado Especial do Secretário-Geral para o Combate à Tuberculose, Jorge Sampaio, chamou a atenção para o facto de a tuberculose ser, hoje, a maior causa de mortes entre seropositivos.

No Brasil, a doença ainda não foi erradicada. O coordenador Nacional do Controlo da Tuberculose no Brasil, Draurio Barreira, contou à Rádio ONU, de Brasília, como é feito o combate à doença no país.

“No Brasil, temos uma detecção de 81% dos casos estimados, ou seja, muito acima da meta da OMS que é de 70%. Então, a nossa detecção está muito boa, segundo padrões da OMS, mas a nossa taxa de cura é muito abaixo ainda da preconizada pela agência da ONU”, disse.

África

De acordo com o relatório da OMS, uma das maiores preocupações continuam a ser os casos de tuberculose em pacientes com HIV.

Os casos mais graves estão na África. Os três países com os índices mais altos de tuberculose e HIV são Ruanda, Malauí e Quénia.

Um outro alerta da OMS são os 500 mil casos de tuberculose ultraresistente a remédios.

*Apresentação: Helder Gomes