Brasil e Moçambique planejam fábrica de antiretrovirais genéricos BR

Brasil e Moçambique planejam fábrica de antiretrovirais genéricos

O presidente de Moçambique, Armando Guebuza (foto), disse numa entrevista exclusiva à Rádio ONU que seu país e o Brasil estão planejando a abertura de uma fábrica de genéricos para o tratamento da Aids no país africano.

Guebuza falou à Rádio ONU após seu discurso na Assembléia Geral que tratou também do combate ao aquecimento global. Ele disse que muitos países africanos estão preocupados em evitar que o deserto se espalhe ainda mais na região.

"Garantir que haja maior controle sobre os leitos dos rios. E fazer que com que os acordos internacionais, que existem sobre o comportamento, o tratamento que damos aos rios possam efetivamente ser aplicados. E garantir que, perante situações dessa natureza, nós não possamos sofrer muito em termos de morte das pessoas, por outro lado, em termos de falta de recursos materiais sobretudo em termos de alimentação ", disse.

Armando Guebuza respondeu aos elogios ao seu governo recebidos pelo chefe do Banco Mundial, Robert Zoellick. Segundo Zoellick, “a liderança política forte de Moçambique” tem adotado políticas macro-econômicas eficientes e exemplares a todo continente africano.

"Uma política monetária muito responsável em termos daquilo que são os padrões definidos pelo Banco Mundial e pelo Fundo Monetário Internacional. Por exemplo, nós notamos que em Moçambique, neste momento, somos deficientes na receita, na cobrança de receitas, de impostos, então para resolver esse problema nós criamos uma autoridade tributária. Em menos de 1 ano já podemos receber mais e, ao mesmo tempo, procuramos encontrar formas de não exagerar na cobrança, propôr normas e regulamentos que respondem diretamente àquilo que são as demandas para aquele setor andar muito bem”, explicou.

Nesta quinta-feira deve discursar ainda, na Assembléia Geral da ONU, o presidente da Guiné-Bissau.