Desastres naturais nas Américas expõe desafios de reduzir riscos
BR

7 março 2017

Canadá abriga reunião regional da ONU; Plataforma de Sendai busca diminuir mortes e ferimentos causados por desastres como furacões, ciclones e terremotos; países devem firmar compromisso durante encontro.

Leda Letra, da ONU News em Nova Iorque.

Desastres naturais ocorridos recentemente na região das Américas mostraram o desafio que o mundo enfrenta para alcançar as metas para reduzir riscos associados a esses fenômenos.

Os objetivos foram estipulados em 2015 por 187 países que assinaram a Plataforma de Sendai, com o objetivo de diminuir o total de mortos e de feridos após furacões, ciclones, terremotos e outros desastres.

Haiti

Os desafios para a região das Américas são debatidos em Montreal, no Canadá, que abriga até quinta-feira um encontro organizado pelas Nações Unidas. O chefe do Escritório da ONU para Redução de Risco de Desastres abriu o encontro.

Robert Glasser citou o impacto do furacão Matthew, que passou pelo Caribe em outubro, causando fortes danos ao Haiti, incluindo 546 mortes e perdas econômicas de US$ 2,7 bilhões.

Mudança Climática

Segundo Glasser, o Matthew foi o primeiro furacão de categoria 5 a atingir o Atlântico em quase 10 anos e foi um teste para ver se a região está preparada para este tipo de evento natural, que deve ocorrer com cada vez mais frequência devido à mudança climática.

Cerca de 1 mil representantes de mais de 50 países participam da reunião em Montreal. Na quinta-feira, deve ser lançado um Plano Regional de Ação, com as contribuições das Américas para a Plataforma de Sendai, já que as metas precisam ser alcançadas até 2030.

Notícias Relacionadas:

ONU pede ajuda para plano de recuperação do Haiti

Plano sobre risco de desastres cobre Angola e São Tomé e Príncipe em 2017

Unicef: Japão doa mais de US$ 2,6 milhões para combate ao cólera no Haiti

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud