Projeto da ONU deve levar água a mais de 1 milhão de pessoas no Iraque

Projeto da ONU deve levar água a mais de 1 milhão de pessoas no Iraque

Baixar

Parceria do Unicef com Japão vai implementar projetos para garantir educação primária.

Edgard Júnior, da Rádio ONU em Nova York.

Duas agências da ONU no Iraque estão participando de projetos para beneficiar a população nos setores de educação e abastecimento de água.

O Fundo das Nações Unidas para a Infância, Unicef, recebeu do governo do Japão uma doação de US$ 3 milhões, o equivalente a R$ 9,4 milhões, para garantir que meninos e meninas afetados pela violência no país tenham acesso à educação.

Deslocamento

Segundo o Fundo, desde maio deste ano, as operações militares no país causaram o deslocamento de 200 mil pessoas, metade delas crianças que perderam até dois anos letivos.

O representante do Unicef no país, Peter Hawkins, afirmou que “as crianças iraquianas sofreram muitas perdas nos últimos anos”. Ele disse que “sem oportunidades para recuperar sua infância, elas não terão condições de se tornarem adultos produtivos”.

Para Hawkins, “educação de qualidade não é apenas um direito, mas é a melhor chance que essas crianças têm para se tornarem os líderes que irão reconstruir o Iraque”.

Água

Já o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento, Pnud, assinou um acordo com o estado de Sulaimaniyah para reconstruir o sistema central de abastecimento de água, que atende a mais de um milhão de pessoas.

A coordenadora humanitária e residente da ONU no Iraque, Lisa Grande, afirmou que a infraestrutura da região está sob pressão porque muitas pessoas precisam dos serviços básicos.

Com recursos doados também pelo governo japonês, o Pnud vai restaurar o sistema que fornece água para residentes, migrantes e refugiados que vivem em Sulaimaniyah.

Photo Credit
Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento assinou um acordo com o estado de Sulaimaniyah para reconstruir o sistema central de abastecimento de água, que atende a mais de um milhão de pessoas.Foto: Banco Mundial/Arne Hoel