ONU: vozes das pessoas com albinismo são essenciais para garantir igualdade
BR

13 junho 2022

No Dia Internacional de Conscientização sobre o Albinismo, Nações Unidas apoiam a união entre pessoas com a rara condição genética que resulta da falta de melanina no cabelo, pele e olhos. 

 

O Dia Internacional de Conscientização sobre o Albinismo é celebrado neste 13 de junho e neste ano, a data tem o tema “Unidos em fazer nossas vozes serem ouvidas”. 

As Nações Unidas explicam que o tema do dia internacional em 2022 foca em incluir as vozes das pessoas com albinismo para garantir igualdade e inclusão. 

Rara condição genética  

Charles, 16, morava com a mãe e o pai na RD Congo. Sua família foi forçada a fugir porque ele foi perseguido por ser albino
© Paddy Dowling
Charles, 16, morava com a mãe e o pai na RD Congo. Sua família foi forçada a fugir porque ele foi perseguido por ser albino

A data também tem a meta de mostrar que celebrar as pessoas com a rara condição genética aumenta a visibilidade dos albinos em todas as esferas da vida.  

Para uma pessoa ter albinismo, tanto o pai quanto a mãe precisam carregar os genes, mesmo que eles não tenham albinismo. A condição é encontrada em homens e mulheres, independentemente da etnia, e em todos os países do mundo.  

O albinismo acontece pela falta de melanina no cabelo, na pele e nos olhos, causando sensibilidade ao sol e a luzes muito claras. Com isso, quase todas as pessoas com albinismo têm algum tipo de dificuldade de visão e têm mais propensão a desenvolver câncer de pele. Não existe cura para a falta de melanina que é central ao albinismo.  

Ataques e assassinatos  

A falta de melanina faz com que os albinos sejam muito suscetíveis de desenvolver câncer de pele.
Unicef/Frank Dejongh
A falta de melanina faz com que os albinos sejam muito suscetíveis de desenvolver câncer de pele.

De acordo com a ONU, estimativas mostram que na América do Norte e na Europa, uma entre 17 mil a 20 mil pessoas tem algum tipo de albinismo. A condição é mais prevalente na África Subsaariana: na Tanzânia, por exemplo, uma a cada 1,4 mil pessoas tem albinismo.  

No mundo todo, as pessoas com albinismo enfrentam discriminação e estigma e em muitos países da África, chegam a ser vítimas de ataques físicos. 

As Nações Unidas destacam que existem ainda mitos e superstições associadas à aparência dos albinos, aumentando a exclusão social.  

Somente na última década, foram registrados centenas de ataques e até de assassinatos de pessoas com albinismo em 28 países da África Subsaariana.  

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud