Presidente da Guiné-Bissau divulga fotos em rede social após “tentativa de golpe”

Presidente da Guiné-Bissau, Úmaro Sissoco Embaló, na 76a Assembleia Geral
UN Photo/Cia Pak
Presidente da Guiné-Bissau, Úmaro Sissoco Embaló, na 76a Assembleia Geral

Presidente da Guiné-Bissau divulga fotos em rede social após “tentativa de golpe”

Paz e segurança

Umaro Sissoco Embaló demonstrou “situação normalizada” após invasão do Palácio Presidencial por homens armados; jornalista da TV estatal, Amatijane Candé, fala à ONU News sobre incidente que foi contido por forças governamentais nesta terça-feira.

Guiné-Bissau viveu momentos de grande sobressalto esta terça-feira, 1 de fevereiro, quando homens armados tentaram invadir as instalações do Palácio do Governo, onde decorria uma reunião extraordinária do Conselho de Ministros.

A reunião, dirigida pelo presidente da República, Umaro Sissoco Embaló, também contava com o primeiro-ministro e outros membros do governo guineense. 

Relatos de intensos combates na capital da Guiné-Bissau preocupam a ONU

Alarme

Os disparos de armas automáticas, que foram ouvidos nas imediações do Palácio, ativaram o alarme criando momentos de pânico em Bissau e resultando no encerramento de mercados, escolas e administração.

O presidente Sissoco Embaló divulgou imagens na sua rede social ao lado do ministro do Interior e do vice-chefe de Estado Maior das Forças Armadas no seu gabinete de trabalho.

Analistas dizem que a sublevação acontece em meio aos rumores sobre a possível morte ou pedido de demissão do Chefe de Estado Maior General das Forças Armadas, Biaguê Nantam, que se encontra em tratamento médico no exterior e vem na sequência de uma remodelação governamental que não terá agradado os partidos da coligação que suporta o governo.

Meios locais de comunicação relataram que houve mortes nas forças de segurança da Presidência e que quatro feridos teriam dado entrado no Hospital Nacional Simão Mendes.  

A Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental, Cedeao já condenou a tentativa de golpe, assim como o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres.

*Colaboração de Amatijane Candé da TV Nacional Guiné-Bissau.