Seis países perdem direito de votar na Assembleia Geral por não pagarem suas contribuições
BR

13 janeiro 2020

São Tomé e Príncipe é uma das exceções do grupo de países em dívida; lista inclui República Centro-Africana, Gâmbia, Líbano, Lesoto, Tonga, Venezuela e Iêmen; Portugal pagou a totalidade do valor, assim como Armênia, Ucrânia e Índia.

As Nações Unidas informaram esta segunda-feira que sete países estão atrasados no pagamento de suas obrigações para o orçamento regular deste ano e não poderão votar na Assembleia Geral.

Falando a jornalistas, em Nova Iorque, o porta-voz da ONU, Stephane Dujarric, mencionou o artigo 19 da Carta da ONU ao citar o grupo de países composto por República Centro-Africana, Comores, Gâmbia, Lesoto, São Tomé e Príncipe, Somália, Tonga, Venezuela e Iêmen.

Controle

Em outubro passado, a Assembleia Geral decidiu que Comores, São Tomé e Príncipe e Somália poderiam votar até o fim da atual sessão que termina em setembro de 2020.

As regras da organização permitem esta exceção a Estados que mostrem que sua incapacidade de pagar está além de seu controle.

Até o momento, 146 países cumpriram com suas obrigações para o atual orçamento. Quatro pagaram por completo:  Armênia, Ucrânia, Índia e Portugal.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

ONU adota orçamento de 2020 de mais de US$ 3 biliões

Assembleia Geral aprova primeiro orçamento da organização para um ano; presidente do órgão  Geral destaca implementação da Década de Ação para implementar ODSs.