Boinas-azuis lusófonos em ação

ONU News destaca alguns dos lusófonos que fazem parte de tropas da paz e fizeram a diferença em suas missões.
Minurso
ONU News destaca alguns dos lusófonos que fazem parte de tropas da paz e fizeram a diferença em suas missões.

Boinas-azuis lusófonos em ação

Paz e segurança

Conheça perfis de cidadãos do Brasil e de Portugal que integram operações de paz. Esta quarta-feira, 29 de maio, marca o Dia Internacional dos Boinas-azuis; lema deste ano é “Protegendo Civis, Protegendo a Paz”.

Neste Dia Internacional dos Boinas-azuis, a ONU News destaca alguns dos lusófonos que fazem parte de tropas da paz e fizeram a diferença em suas missões. De acordo com a ONU, atualmente, mais de 90% das forças de manutenção da paz atuam em oito operações de paz, em Abyei e Darfur no Sudão, na República Centro-Africana, na República Democrática do Congo, no Haiti, no Líbano, no Mali e no Sudão do Sul, com mandatos de proteger civis.

Criada em 2014, a Missão da ONU na República Centro-Africana, Minusca, tem cerca de 15 mil soldados da paz e funcionários. Neste momento, existem cerca de 160 militares portugueses e observadores brasileiros.

A ONU News conversou com o vice-comandante da força militar na operação de paz, o português Marco António Serronha:

 

Destaque ONU News Especial - 31 de outubro de 2018

 

A capitão de corveta brasileira Márcia Andrade Braga é foi a vencedora do Prêmio de Defensora Militar do Gênero das Nações Unidas. A boina-azul serve na Missão da ONU na República Centro-Africana, Minusca, desde 2018. Falando na sala da Assembleia Geral, em Nova Iorque, a brasileira afirmou que as mulheres devem ser enviadas sobretudo para “cargos na linha de frente, envolvendo-se com a população local e encontrando-se com líderes mulheres.” 

Boina-azul brasileira recebe prêmio da ONU

 

A luso-brasileira Sílvia Carvalho está na mais nova missão criada nas Nações Unidas, no Iêmen, país que é hoje considerado um dos que enfrenta a maior crise humanitária do mundo. Em entrevista à ONU News, a luso-brasileira explica sua atuação na área da logística da Missão de Verificação, em Hodeida:

Luso-brasileira explica como atua na nova missão da ONU no Iêmen

 

A tenente-coronel do Exército Andréa Firmo tinha 18 anos quando começou a trabalhar como professora de inglês no Brasil. Aos 27 anos, ela iniciou sua carreira no Exército Brasileiro. Nascida no Rio de Janeiro, e com três filhos, ela conseguiu se tornar a primeira brasileira a trabalhar como observadora das Nações Unidas, e também, a primeira comandante de uma base da força de paz da ONU no Saara Ocidental.

Destaque ONU News Especial com a primeira brasileira a ser observadora militar da ONU