Unesco anuncia vencedoras do Prêmio L’Oréal-Unesco-ABC para Mulheres na Ciência 2018
BR

14 agosto 2018

Sete cientistas e pesquisadoras foram contempladas na 13ª. Edição do Prêmio, concedido em parceria com a Academia Brasileira de Ciências, ABC; a bolsa auxílio de R$ 50 mil ou quase US$ 13 mil.

A Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura, Unesco, anunciou a premiação de sete cientistas e pesquisadoras brasileiras por seu trabalho de excelência em várias áreas acadêmicas.

O Prêmio L’Oréal-Unesco-ABC para Mulheres na Ciência 2018 foi destinado a cientistas de universidades brasileiras nos estados do Rio de Janeiro, Pernambuco, Rio Grande do Sul, São Paulo, Minas Gerais entre outros.

Trabalhos

Na área de ciências da vida foram escolhidos os trabalhos de Ethel Wilhem, Angélica Vieira, Fernanda Cruz e Sabrina Lisboa.

A contemplada em química foi Nathalia Bezerra. Luciana Lomonaco levou o prêmio de matemática e Jaqueline Soares o de física.

A Unesco explica que os jurados escolhem trabalhos que se propõem a encontrar soluções para questões sociais, ambientais, econômicas e de saúde.

Fernanda Cruz, da Ufrj, ganhou o concurso com sua pesquisa sobre terapias para tratar doenças respiratórias. Já Sabrina Lisboa dedicou-se ao transtorno do estresse pós-traumático e como ele altera o cérebro.

Igualdade

O Prêmio fomenta ainda a igualdade de gênero nas ciências.

Um dos desafios do Brasil, a saúde da terceira idade, a faixa etária que mais cresce no mundo, foi o tema do trabalho vencedor de Ethel Wilhelm, da Universidade de Pelotas.

Já Angélica Vieira da Universidade Federal de Minas Gerais investiu numa solução contra a resistência a antibióticos para convencer o júri.

Mulher e cientista

As outras contempladas foram Jaqueline Soares utilizando a pedra-sabão para implantes dentários, e Luciana Lomonaco, da USP, que agradeceu o prêmio dizendo que é possível ser mulher e ser cientista.

E Nathalia Bezerra, de Pernambuco, que também lembra que o gênero não deve ser impedimento algum na hora de abraçar uma profissão.

Ela pesquisa como aumentar a durabilidade do cimento nas mais variadas condições climáticas do Brasil.

A Unesco disse que este ano, o Prêmio Mulheres na Ciência bateu o recorde no número de inscrições.  Foram 524 trabalhos, 34% a mais que em 2017.

A entrega da premiação está marcada para 4 de outubro, na sede da L'Oréal, no Rio de Janeiro.