França e Unesco emitem nota conjunta após caso de racismo no esporte
BR

10 janeiro 2018

Diretora-geral da Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura, Audrey Azoulay, firmou documento ao lado da ministra francesa do Esporte, Laura Flessel, condenando incidentes ocorridos no fim de semana.

Monica Grayley, da ONU News em Nova Iorque.

O racismo não tem lugar em campos desportivos ou fora deles. A declaração é parte de um comunicado conjunto da Unesco e do Ministério do Esporte da França.

A chefe da agência da ONU, Audrey Azoulay, e a ministra francesa, Laura Flessel, condenaram insultos de conotação racista, ocorridos em gramados de futebol durante o fim de semana.

Recomendações

Segundo a nota da Unesco, o jogador francês Blaise Matuidi, do Juventus Futebol Clube, de Turim, foi alvo dos insultos. A chefe da Unesco e a ministra, disseram que o esporte deve ser um vetor de tolerância e entendimento mútuo. E nada justifica o clima de ódio e racismo.

O clube Juventus tem sido parceiro na luta contra o racismo desde 2004. Um dos relatórios da Unesco, publicado em 2015, analisa a situação tanto no esporte amador como profissional e faz recomendações para medidas contra o problema.

Uma outra iniciativa possibilita crianças pobres a participarem de um programa de treinamento com a Academia Juventus. No comunicado, ambas as líderes lembram que as pessoas não nascem racistas, mas tornam-se racistas.

Jogos Olímpicos

Segundo Azoulay e Flessel, milhões de fãs e torcedores acompanham o futebol e outros esportes com o objetivo de produzir o melhor das pessoas, servindo à educação para a tolerância e respeito.

O governo da França e a Unesco confirmaram seu compromisso de apoiar esses valores através do esporte. A França pretende ter um papel importante na implementação do Plano de Ação para reforçar as políticas de educação desportiva, o combate ao doping e a transmissão de valores como o respeito antes de sediar os Jogos Olímpicos de 2024.