Portugal deve melhorar crédito e criar instituições para travar desemprego

Portugal deve melhorar crédito e criar instituições para travar desemprego

Estudo da OIT estima que país tenha perdido um de cada sete postos de emprego criados nos últimos cinco anos; documento ressalta níveis sem precedentes de desemprego e queda de investimento.

Edgard Júnior, da Rádio ONU em Nova Iorque.*  

Portugal foi recomendado a melhorar as condições de crédito para pequenas empresas, a criar instituições para ajudar no mercado de trabalho e programas especiais para grupos menos favorecidos.

Num estudo, lançado esta segunda-feira, a Organização Internacional do Trabalho, OIT, destaca que o país perdeu um de cada sete empregos criados desde o início da crise financeira global, em 2008. O atual índice de desemprego é de 17%.

Participação

O relatório “Combatendo a Crise de Empregos em Portugal” revela ser fundamental o programa de investimento, com a participação do Banco de Investimento Europeu, para alcançar os objetivos.

O documento aponta para níveis sem precedentes de desemprego, uma queda drástica dos investimentos em setores de produção e uma recuperação económica muito fraca.

Crianças Pequenas

O início do programa de assistência financeira, em 2011, é apontado como um marco do agravamento da situação que atinge maioritariamente os jovens e às famílias com crianças pequenas.

O chefe do departamento de pesquisa da OIT, Raymond Torres, afirmou que grande parte da política implementada tem como objetivo reduzir o deficit fiscal e aumentar a competitividade.

Mas realçou que os cortes salariais e nos programas de assistência combinados ao aumento de impostos, corroeram a renda familiar e a demanda interna.

Oportunidades

De acordo com o responsável, as pequenas e as médias empresas lutam para conseguir crédito, no que resulta em menos oportunidades para a criação de empregos.

O relatório conclui que é possível reduzir simultaneamente o deficit fiscal e o desemprego. Torres explica que algumas da políticas sugeridas pela agência da ONU terão um custo público inicial, a curto prazo, mas devem servir para impulsionar o processo de recuperação de empregos.

*Apresentação: Eleutério Guevane