Banco Mundial investe mil milhões de dólares em nova estratégia para Moçambique

Banco Mundial investe mil milhões de dólares em nova estratégia para Moçambique

Programa deve ser implementado até 2016 para promover crescimento económico inclusivo; instituição financeira anuncia crédito de US$ 120 milhões para combater mudanças climáticas.

Manuel Matola, da Rádio ONU em Maputo.

O Banco Mundial anunciou um novo plano de parceria com Moçambique para os próximos cinco anos, avaliado em mil milhões de dólares. A estratégia deve apoiar os setores sociais vitais de combate à pobreza.

Uma nota da instituição financeira indica que, até 2016, o programa irá apoiar o desenvolvimento de políticas das áreas de energia, agricultura, ambiente, saúde e transportes.

O director do Banco Mundial para Moçambique, Laurence Clarke, destacou a importância da nova fase de cooperação com o país. O responsável considerou que a estratégia “surge num período crucial na trajectória impressionante de Moçambique: de país pós-conflito para o de crescimento económico robusto de mais de duas décadas”.

Vantagens

Laurence Clarke considerou ter chegado o momento de o governo moçambicano “tirar vantagens das oportunidades oferecidas pela dinâmica do crescimento económico actual e das descobertas de recursos de forma a aplicá-los em projectos transformacionais  que possam alavancar o crescimento económico sustentado e que beneficiem todos os segmentos da sociedade moçambicana”.

O ministro da Planificação e Desenvolvimento de Moçambique, Aiuba Cuereneia, assinalou, no entanto, que a futura parceria vai contribuir no alcance dos objectivos de partilha dos benefícios do crescimento acelerado a todos os cidadãos.

Mudanças climáticas

O conselho de administração do Banco Mundial anunciou ainda a aprovação de um crédito de US$ 120 milhões para apoiar 20 municípios do centro e sul de Moçambique a fazer frente às alterações climáticas.

Moçambique é apontado como o terceiro país africano mais exposto aos riscos relativos às mudanças climáticas. As cidades costeiras são particularmente vulneráveis às inundações e erosão, com impacto sobre famílias pobres que representam a face da miséria urbana.

Após a adesão do país à instituição, em 1984, o Banco Mundial investiu mais de quatro mil milhões de dólares em Moçambique.