Tratado contra bombas de fragmentação

Tratado contra bombas de fragmentação

Conferência na Irlanda conta com negociadores de mais de 100 países; crianças foram 40% das vítimas de explosões.

Mônica Villela Grayley, Rádio ONU em Nova York.

O Fundo das Nações Unidas para a Infância, Unicef, lançou um apelo para adoção de um tratado internacional de probição a bombas de fragmentação.

O pedido coincide com a abertura da Conferência Diplomática sobre Bombas de Fragmentação, em Dublim, capital da Irlanda.

Curiosidade

O evento reúne negociadores de mais de 100 governos.

Leia o boletim de Eduardo Costa.

“Segundo o Unicef, pelo menos 40% das vítimas de explosões de bombas de fragmentação são crianças.

De acordo com a agência, os dispositivos atraem a curiosidade das crianças pelo tamanho pequeno e pelas cores brilhantes.

As bombas são encontradas, geralmente em pátios de escolas e outras áreas de diversão infantil.

Estoques

Os explosivos estão sendo usados há mais de seis décadas em vários países. Os casos mais recentes são Líbano, em 2006, Afeganistão e Iraque em 2001 e 2003.

A proposta do tratado inclui proibição do uso de bombas de fragmentação, produção e transferência de estoques, destruição de estoques atuais e assistências as vítimas”.

As negociações para proibição das bombas começaram em fevereiro de 2007, em Oslo, na Noruega. O apelo do Unicef é sobre a conclusão das discussões em forma de um tratado internacional.