Crise de alimentos afecta 2,6 milhões na Somália

Crise de alimentos afecta 2,6 milhões na Somália

Cerca de 35% da população precisa de assistência alimentar; número é 40% maior do que em janeiro deste ano.

Iara Luchiari, Rádio ONU em Nova York.

A Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação, FAO, informou que cerca de 35% da população somali precisa de assistência alimentar.

De acordo com a organização, a seca no país, o aumento nos preços dos alimentos e a desvalorização da moeda somali, o shilling, contribuíram para o agravamento da crise.

Deslocados

Cerca de 2,6 milhões de pessoas precisam de assistência alimentar na Somália, um número 40% maior do que em janeiro de 2008, alertou a FAO.

Segundo a FAO, o número de deslocados que vivem na capital do país, Mogadíscio, aumentou 20% comparado com janeiro de 2008 chegando a 855 mil deslocados.

Apelo

A FAO afirmou que se a crise se agravar, cerca de 3,5 milhões de pessoas podem começar a passar fome, um número equivalente a metade da população do país.

A organização fez um apelo pedindo US$ 18,4 milhões em assistência humanitária. No entanto, até ao momento a FAO disse ter recebido apenas 3,7 milhões dos governos da Itália e da Suécia.

Apresentação*: João Duarte, Rádio ONU em Nova York.