OIT diz que trabalhadores continuam sofrendo preconceito no emprego

OIT diz que trabalhadores continuam sofrendo preconceito no emprego

Um relatório da Organização Internacional do Trabalho, OIT, revela que empregados em todo o mundo continuam sofrendo discriminação nos locais de trabalho.

A directora da OIT no Brasil, Laís Abramo, falou à Rádio ONU sobre os tipos de discriminação mais frequentes.

“A discriminação contra as pessoas com deficiência, a discriminação por orientação sexual e das pessoa que vivem com HIV/Sida. E fala também de formas que estariam vindo de discriminação que seriam aquelas relacionadas a condição genética e ao estilo de vida considerados não saudáveis, pouca saudáveis, essas são as formas que o relatório aborda”

Abramo explicou que o relatório, que não cita nenhum país, faz recomendações de políticas públicas de combate ao preconceito.

Ela também disse o que cada um pode fazer ao se sentir discriminado no trabalho.

“Procurar os sindicatos - desde fazer denúncias por exemplo nos núcleos de combate a discriminação, eles estão lá para isso, justamente para receber denúncias de discriminação a justiça do trabalho -, e outra instância onde você pode levar o processo em relação, denunciando uma situação de ter sido vítima de discriminação. Existem várias formas que estão ao alcance das pessoas para fazer valer os seus direitos”

Pelo relatório da OIT, as mulheres continuam em várias regiões do mundo em situação de desvantagem em relação aos homens, quando o assunto é promoção e salário.

Já entre as pessoas com deficiências, mais da metade não tem trabalho.

A OIT afirma que a maioria dos 180 países-membros da agência já assinou as duas convenções sobre discriminação.