Relatores pedem libertação de Prêmio Nobel da Paz em Mianmar BR

Relatores pedem libertação de Prêmio Nobel da Paz em Mianmar

Um grupo de relatores de direitos humanos das Nações Unidas emitiu um comunicado conjunto apelando à libertação da líder da oposição em Mianmar, Aung Sang Suu Kyi(foto).

Segundo o grupo, a libertação de prisioneiros políticos seria um sinal importante na vontade do governo de Mianmar de iniciar uma transição eficiente ao processo democrático no país.

Mianmar, a antiga Birmânia, fica no sudeste da Ásia, e é governado por uma junta militar.

O relator Paulo Sérgio Pinheiro disse à Rádio ONU, de Genebra, que o apelo para libertação da Prêmio Nobel abrange mais de 1 mil prisioneiros políticos em Mianmar.

“Lembrar da necessidade de liberar os mais de 1,2 mil presos políticos. Alguns com mais de 75 anos condenados a 15 anos de prisão. Isso é contra qualquer sentimento humanitário”, afirma.

Pinheiro, que esteve com Aung San Suu Kyi, em 2003, falou sobre a sáude dela.

“Uma pessoa que vive isolada com mais de 60 anos numa tensão permanente sofre evidentemente uma pressão psicológica muito grande. Ela é muito forte, muito corajosa mas ela tem outros problemas físicos. Ela foi operada há um ano e requer cuidados que, infelizmente, o médico na residência não tem condições de dar”, conta.

A líder da oposição em Mianmar está presa há 11 anos sem ser indiciada ou levada a julgamento.