Relator da ONU reage à renovação de detenção de Prêmio Nobel da Paz

Relator da ONU reage à renovação de detenção de Prêmio Nobel da Paz

Paulo Sérgio Pinheiro (foto) diz que lamenta decisão do governo de Mianmar, antiga Birmânia, de manter líder da oposição, Aung San Suu Kyi, pelo 12º ano em prisão domiciliar. (clip 57")

Aung San Suu Kyi passou 11 dos últimos 18 anos em prisão domiciliar. Em 1990, o partido dela, a Liga Nacional pela Democracia, venceu as eleições mas foi impedido de assumir o governo.

Mianmar, a antiga Birmânia, é governado por uma junta militar.

O relator de direitos humanos da ONU, Paulo Sérgio Pinheiro, que esteve com Suu Kyi em 2003 falou à Rádio ONU de Genebra sobre os motivos do governo para manter a Prêmio Nobel da Paz em prisão.

“As alegações são várias. Em termos de fatos passados, dela não ter respeitado alguns aspectos da legislação, mas ela nunca foi submetida a nenhum julgamento. Então é uma decisão extremamente arbitrária. E, manter uma liderança importante, um prêmio Nobel da Paz incomunicado... Ela está em solitária dentro de casa. Isso é uma coisa absurda. É o único prêmio Nobel da Paz vivendo em prisão no mundo”, disse.

Em novembro passado, Suu Kyi se reuniu com o enviado da ONU, Ibrahim Gambari, por uma hora. Ela vive em Yangun, capital de Mianmar.