Nove anos de prisão para autor de ataque contra o patrimônio de Timbuktu

27 setembro 2016

Sentença do Tribunal Penal Internacional para Ahmad Al Faqi Al Mahdi está ligada à destruição de monumentos históricos e religiosos no Mali; em agosto, condenado declarou-se culpado pelos crimes.

Leda Letra, da Rádio ONU em Nova Iorque.

O Tribunal Penal Internacional, TPI, condenou um dos responsáveis pelos ataques contra monumentos históricos e religiosos em Timbuktu, no Mali. Ahmad Al Faqi Al Mahdi deverá cumprir nove anos na prisão pelo crime de guerra.

A sentença foi definida esta terça-feira no TPI, em Haia, na Holanda. Os crimes contra o patrimônio ocorreram em 2012 durante o conflito no Mali. Naquele ano, os grupos Ansar Dine e Al-Qaeda no Maghreb Islâmico tomaram controlo de Timbuktu e decidiram destruir os mausoléus.

Confissão

Al Mahdi concordou em conduzir os ataques e escreveu um sermão dedicado à destruição dos mausoléus em Timbuktu. Segundo o TPI, ele determinou a sequência de destruição dos monumentos.

Em agosto, Al Mahdi confessou ao TPI ter realizado os ataques contra 10 monumentos históricos e religiosos de Timbuktu. O TPI definiu a sentença em nove anos devido à “gravidade do crime” e explica que geralmente, ataques contra propriedades culturais são considerados menos graves do que crimes contra pessoas.

Os monumentos da cidade maliana têm “valor simbólico e emocional para os seus habitantes”. As mesquitas são parte integral da vida religiosa local e foram declaradas Patrimônio Mundial pela Unesco.

Leia e Oiça:

"Marginalização e desilusão podem gerar ressentimento no no Mali", adverte Ban

Unesco aplaude restauração de "símbolo de proteção de Timbuktu"

Pela primeira vez, acusado de destruir Patrimônio Mundial é julgado

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud