Fome cresce no mundo e atinge 9,8% da população global
BR

6 julho 2022

Relatório da ONU aponta que agravamento da fome mundial foi acelerado pela pandemia e guerra na Ucrânia, que aprofundou a crise de alimentos; outras formas de insegurança alimentar atingem 29,3% da população mundial.

O relatório Estado da Segurança Alimentar e Nutrição no Mundo 2022, lançado pela ONU nesta quarta-feira, aponta que o número de pessoas afetadas pela fome em todo o mundo subiu para 828 milhões em 2021, uma alta de cerca de 46 milhões desde 2020 e 150 milhões desde o início da pandemia de Covid-19.

De acordo com os dados apresentados, a proporção de pessoas afetadas pela fome vinha praticamente inalterada desde 2015, próxima de 8% da população global. Com a crise de saúde e a guerra na Ucrânia, o número saltou nos últimos anos e agora já afeta 9,8% das pessoas no mundo.

Maioria das 140 milhões de pessoas que sofrem de fome aguda em todo o mundo está concentrada em 10 países
© WFP/Sitraka Niaina Raharinaiv
Maioria das 140 milhões de pessoas que sofrem de fome aguda em todo o mundo está concentrada em 10 países

Estado da Segurança Alimentar e Nutrição no Mundo 2022

A edição de 2022 do relatório fornece novas evidências de que o mundo está se afastando, cada vez mais, de seu objetivo de acabar com a fome, a insegurança alimentar e a desnutrição até 2030.

O documento foi feito em parceria pela Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura, FAO, Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola, Fida, Fundo das Nações Unidas para a Infância, Unicef, Programa Mundial de Alimentos, PMA, e Organização Mundial da Saúde, OMS.

Segundo a escala de insegurança alimentar, fome é definida como “privação alimentar”. Já insegurança alimentar moderada é quando as pessoas enfrentam incertezas sobre sua capacidade de obter alimentos e foram forçadas a reduzir a qualidade ou quantidade de alimentos. A insegurança alimentar severa é quando as pessoas ficam sem comida por um ou mais dias.

Seis áreas somalis foram identificadas em risco de fome
Unicef/Sebastian Rich
Seis áreas somalis foram identificadas em risco de fome

Principais resultados

O diretor executivo do PMA, David Beasley, afirma que existe um perigo real de que esses números subam ainda mais nos próximos meses. Ele avalia que os picos globais de preços de alimentos, combustíveis e fertilizantes, agravados pela crise na Ucrânia, ameaçam levar países ao redor do mundo à fome.

Para Beasley, o resultado será a desestabilização global, fome e migração em massa em uma escala sem precedentes.

Além da parcela da população que sofre com a fome, outras cerca de 2,3 bilhões de pessoas no mundo, ou 29,3% da população global, estavam em insegurança alimentar moderada ou grave em 2021. O valor é de 350 milhões a mais em comparação com antes do surto da pandemia de Covid-19.

Os resultados do relatório também apontam que quase 924 milhões de pessoas, ou 11,7% da população global, enfrentaram insegurança alimentar em níveis graves, um aumento de 207 milhões em dois anos.

Preço dos alimentos

Segundo a publicação, quase 3,1 bilhões de pessoas não podiam pagar uma dieta saudável em 2020, 112 milhões a mais que em 2019, refletindo os efeitos da inflação nos preços dos alimentos ao consumidor decorrentes dos impactos econômicos da pandemia de Covid-19.

A disparidade de gênero na insegurança alimentar continuou a aumentar em 2021: 31,9% das mulheres no mundo sofrem com a insegurança alimentar moderada ou grave, em comparação com 27,6% dos homens. A cresceu em 1% em comparação com 2020.

A estimativa apresentada no relatório é que 45 milhões de crianças menores de cinco anos sofriam definhamento, a forma mais mortal de desnutrição, o que aumenta o risco de morte das crianças em até 12 vezes.

Além disso, 149 milhões de crianças com menos de cinco anos tiveram crescimento e desenvolvimento atrofiados devido à falta crônica de nutrientes essenciais em suas dietas, enquanto 39 milhões estavam acima do peso.

Efeito nas crianças

O relatório aponta progressos no aleitamento materno exclusivo, com quase 44% dos bebês com menos de seis meses de idade sendo exclusivamente amamentados em todo o mundo em 2020. A meta para 2030 é atingir os 50%.

No entanto, duas em cada três crianças não recebem uma dieta mínima diversificada que eles precisam para crescer e desenvolver todo o seu potencial.

A diretora executiva do Fundo de Infância das Nações Unidas, Catherine Russell, afirma que a escala “sem precedentes” da crise de desnutrição exige uma resposta a altura.

Para ela, os esforços para garantir que as crianças mais vulneráveis tenham acesso a dietas nutritivas, seguras e acessíveis devem ser redobrados, assim como os serviços para a prevenção precoce, detecção e tratamento da desnutrição.

Futuro e crises atuais

Olhando para o futuro, as projeções do relatório são de que cerca de 670 milhões de pessoas, 8% da população mundial, ainda enfrentarão fome em 2030 mesmo que uma recuperação econômica global seja levada em consideração.

O número volta aos patamares de 2015, quando a meta de acabar com a fome, a insegurança alimentar e a desnutrição até o final desta década foi lançada na Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável.

A avaliação do documento é que a guerra na Ucrânia e os efeitos dos eventos climáticos possuem potencial estão gerando um cenário complexo e ameaçando a segurança alimentar e nutricional global.

No prefácio da publicação, assinado pelos líderes das agências que trabalharam no estudo, destaca que a os principais fatores de insegurança alimentar e desnutrição: conflitos, extremos climáticos e choques econômicos, combinados com crescentes desigualdades.

Para eles, a questão não é se as adversidades continuarão a ocorrer ou não, mas quais devem ser as medidas mais ousadas para construir resiliência contra choques futuros.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud