ONU anuncia criação de Índice da Juventude na Política
BR

20 janeiro 2022

Objetivo é verificar se os países estão dando espaço para juventude no setor; secretário-geral das Nações Unidas participou de Conferência de Alto Nível sobre Processos de Paz Inclusivo para a Juventude nesta quinta-feira; António Guterres quer que jovens tenham espaço garantido na mesa de negociações em várias frentes. 

Na abertura da Conferência de Alto Nível da ONU sobre Processos de Paz Inclusivos para a Juventude, o secretário-geral da organização afirmou que os jovens estão sendo profundamente afetados pelas crises atuais, mas estão também “na linha de frente para ações e soluções”. 

Segundo António Guterres, o mundo enfrenta vários desafios globais: pandemia de Covid-19, mudança climática, divisão digital, conflitos, discriminação e queda da confiança. Por isso, ele elogiou a juventude ao redor do mundo por “levantar sua voz, na rua e online, defendendo ação climática, igualdade de gênero e justica racial e social. 

Mais de 42 milhões de jovens não têm onde morar
© UNICEF/Howard Elwyn-Jones
Mais de 42 milhões de jovens não têm onde morar

Novo Índice 

No evento, o líder das Nações Unidas anunciou a criação do Índice da Juventude na Política, para verificar se os países ao redor do mundo estão abrindo espaços políticos, algo que vem sendo exigido pelas gerações mais jovens. 

Guterres afirmou “que os jovens não são apenas cidadãos com direitos iguais, mas também agentes poderosos para a mudança e por isso, suas vozes precisam ser ouvidas”. 

Antes mesmo da conferência, foram produzidos dois documentos: um guia para os Estados-membros operacionalizarem a Agenda de Juventude, Paz e Segurança, e uma estratégia de cinco anos sobre Processos de Paz Inclusivos à Juventude. 

O secretário-geral afirmou estar confiante de que esses recursos farão a diferença e reforçou que a juventude pode contar com ele e com as Nações Unidas para continuar ampliando sua voz em prol de um futuro inclusivo e sustentável. 

Papel central 

O chefe da ONU defendeu que os jovens estejam no centro dos esforços por sociedades mais pacíficas, justas e sustentáveis. No documento “Nossa Agenda Comum”, António Guterres reconhece o “papel central dos jovens como construtores do futuro”.

O secretário-geral afirmou também que os jovens são “fonte de inovação, de ideias e de soluções”, ajudando em projetos de assistência humanitária e na mediação de conflitos, utilizando novas tecnologias, além das plataformas tradicionais. 

António Guterres defende um espaço garantido para os jovens na mesa de negociações, para que apresentem “soluções inclusivas que unam paz e segurança, desenvolvimento sustentável e direito humanos”. 

Secretário-geral, António Guterres, discursa em Davos, em 2020
Fórum Econômico Mundial/Boris Baldinger
Secretário-geral, António Guterres, discursa em Davos, em 2020

Investimento financeiro 

O chefe da ONU avalia que as “oportunidades para uma participação significativa” dos jovens são insuficientes, especialmente para as mulheres jovens, pois muitas relatam que sua participação não é bem-vinda pelo público ou por pessoas em posições de poder. 

Por isso, Guterres fez um apelo à comunidade internacional, para que apoie os esforços dos jovens. Ele citou o Fundo de Construção da Paz, que inclui uma Initiativa de Promoção da Juventude, sendo que no ano passado, foram fornecidos US$ 26 milhões em projetos implementados com parceiros da sociedade civil, mas Guterres quer um investimento ainda maior.

Durante o encontro, ele mencionou também ameaças e violações de direitos humanos sofridas por jovens defensores de direitos humanos e outros que trabalham com a consolidação da paz. Por isso, pediu maior proteção e garantias para o grupo participar de forma segura de processos de paz e de segurança. 
 

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud