“Sistema de saúde do Afeganistão está à beira do colapso”, declara chefe da OMS BR

Afeganistão é um dos dois países do mundo onde pólio ainda é endêmica
© Unicef Afeganistão
Afeganistão é um dos dois países do mundo onde pólio ainda é endêmica

“Sistema de saúde do Afeganistão está à beira do colapso”, declara chefe da OMS

Saúde

Tedros Ghebreyesus termina visita à capital do país, Cabul, e pede urgência em ações para se evitar uma catástrofe; existem quase 2 milhões de doses de vacina para a Covid-19 que ainda não foram usadas; Escritório de Assistência Humanitária libera US$ 45 milhões para setor de saúde. 

O subsecretário-geral da ONU para Assuntos Humanitários, Martin Griffiths, está liberando US$ 45 milhões para o setor de saúde do Afeganistão. O anúncio foi feito esta quarta-feira.


Segundo Griffiths, a verba será utilizada para a compra de medicamentos, equipamentos médicos e para combustível, que está em falta no país. Ele lamentou ainda o fato de muitos trabalhadores do setor estarem sem receber salários.


Catástrofe iminente 

Diretor-geral da OMS, Tedros Ghebreyesus.
ONU/Evan Schneider
Diretor-geral da OMS, Tedros Ghebreyesus.


Também esta quarta-feira, o diretor-geral da Organização Mundial da Saúde, OMS, fez declarações ao fim de uma visita à capital do Afeganistão. Em Cabul, Tedros Ghebreyesus revelou que teve encontros com líderes do Talibã, trabalhadores de saúde, pacientes e funcionários da OMS.


Segundo Tedros, o sistema de saúde afegão “está à beira do colapso” e sem ação urgente, o “país enfrenta uma iminente catástrofe humanitária”. 


O chefe da OMS explicou que a visita ao Afeganistão serviu para ver de perto quais as principais necessidades da população e definir maneiras de aumentar, com urgência, a resposta ao sistema de saúde. 


Vacinas de Covid-19 

Uma criança caminha por um campo temporário montado em Cabul depois que sua família foi deslocada devido à insegurança em todo o Afeganistão
© Unicef Afeganistão
Uma criança caminha por um campo temporário montado em Cabul depois que sua família foi deslocada devido à insegurança em todo o Afeganistão


Tedros afirmou que “com base nos princípios da ONU de neutralidade e indepedência”, foi possível ter um “diálogo construtivo sobre diferenças e para encontrar soluções para que a agência possa continuar ajudando milhões de afegãos inocentes, afetados por décadas de conflito”. 


O maior projeto de saúde do país, Sehetmandi, está funcionando com apenas 17% da capacidade. Tedros Ghebreyesus afirmou que já há impactos negativos nos esforços para combater a pólio, tratar de pacientes em situação de emergência ou com Covid-19. 


A situação é tão grave que o chefe da OMS afirmou que muitos profissionais de saúde do Afeganistão acabam tendo que tomar a difícil decisão sobre salvar pacientes ou deixar morrer. 


As taxas de vacinação contra a Covid-19 também estão em declínio e existem 1,8 milhão de doses no país que continuam sem ser usadas. Além disso, o Afeganistão é uma das duas nações do mundo onde a pólio continua endêmica e por isso é importante continuar o trabalho para se erradicar a doença. 


A OMS e parceiros já estão prontos para uma campanha de vacinação porta-a-porta contra a pólio e também contra o sarampo e a Covid-19.