ONU destaca pobreza entre falhas nos direitos humanos que criaram fragilidades na pandemia

Dia dos Direitos Humanos realça defesa de princípios na recuperação da Covid-19  BR

UNDP-Ukraine/Anastasia Vlasova
ONU destaca pobreza entre falhas nos direitos humanos que criaram fragilidades na pandemia

Dia dos Direitos Humanos realça defesa de princípios na recuperação da Covid-19 

Direitos humanos

Secretário-geral pede foco em estruturas universais como cobertura de saúde; alta comissária Michelle Bachelet apela à ação para reconstrução sustentável e justa; celebrações de 2020 marcam 72 anos da adoção da Declaração Universal sobre o tema.  

O mundo celebra este 10 de dezembro o Dia dos Direitos Humanos sob o lema “Recuperar-se melhor - Defender os direitos humanos”. Em momento de pandemia, os apelos focam na necessidade de esforços de reconstrução observando os princípios fundamentais. 

Foi nesta data que a Assembleia Geral adotou, em 1948, a Declaração Universal dos Direitos Humanos.   

Direitos 

Disponível em mais de 500 idiomas, o documento mais traduzido do mundo proclama os direitos inalienáveis que transcendem raça, cor, religião, sexo, idioma, convicção, origem nacional ou social, propriedade, nascimento ou outro estatuto. 

Falando em português, Michelle Bachelet pede reconstrução mais sustentável e justa após a pandemia

 

Na data, o secretário-geral publicou uma mensagem enfatizando que as pessoas e os seus direitos devem estar diante e no centro da resposta e da recuperação.  

Cobertura 

Em vídeo, o chefe da ONU realçou a necessidade de estruturas universais baseadas em direitos, como cobertura de saúde para todos, para vencer a pandemia e para proteção no futuro. 

Guterres destacou que duas verdades fundamentais vieram à tona com a crise: primeiro, que a violação dos direitos humanos é prejudicial para todos; segundo, estes princípios são universais e protegem a todos. 

Minorias 

O líder da ONU mencionou o impacto desproporcional da Covid-19 em grupos vulneráveis, incluindo trabalhadores que estão na linha de frente, pessoas com deficiência, idosos, mulheres, meninas e minorias. 

Guterres diz que a Covid-19 levou entes queridos e  continua se espalhando
MSF/Olmo Calvo
Guterres diz que a Covid-19 levou entes queridos e  continua se espalhando

 

Por outro lado, fatores como pobreza, desigualdade,  discriminação,  destruição do meio ambiente e outras falhas nos direitos humanos “criaram enormes fragilidades” sociais. 

O secretário-geral disse que a Covid-19 “pode comprometer os direitos humanos, dando um pretexto para respostas de segurança severas e medidas repressivas que restringem o espaço cívico e a liberdade de imprensa”. 

Pós-pandemia 

Antes, a alta comissária para os direitos humanos, Michelle Bachelet, pediu que o mundo aja para uma reconstrução mais sustentável e justa após a pandemia. Ela destacou que a crise deixou o mundo exposto, vulnerável e enfraquecido. 

Bachelet realçou ainda que, mesmo com o mundo arrasado, a pandemia ofereceu percepções claras sobre como transformar o desastre em uma oportunidade de redefinir prioridades e melhorar as  perspectivas de um futuro melhor. 

Pandemia pode comprometer os direitos humanos, dando um pretexto para respostas de segurança severas e medidas repressivas que restringem o espaço cívico e a liberdade de imprensa.

As Nações Unidas realçam ainda a pandemia como oportunidade para reafirmar a importância dos direitos humanos na reconstrução do mundo que se pretende, da solidariedade global, bem como da interconexão e humanidade compartilhada.  

Apoio 

O apelo à ação dos Direitos Humanos das Nações Unidas defende o envolvimento do público, parceiros e família da ONU no apoio a “ações transformadoras”.  

A organização incentiva ainda a partilha de exemplos “práticos e inspiradores” que possam contribuir para uma melhor recuperação e promoção de sociedades resilientes e justas. 

Eleanor Roosevelt, ex-primeira-dama dos Estados Unidos, liderou o comitê que redigiu a Declaração Universal dos Direitos Humanos.
ONU
Eleanor Roosevelt, ex-primeira-dama dos Estados Unidos, liderou o comitê que redigiu a Declaração Universal dos Direitos Humanos.