ONU: “combate à poluição é vital para aves migratórias”
BR

11 maio 2019

Dia Mundial das Aves Migratórias deste ano busca chamar atenção para a ameaça e impactos da poluição plástica; cerca de 90 % das aves marinhas tem plástico nos seus organismos.

Todos os anos, as aves fazem viagens épicas pelo mundo para sobreviver. Como exemplo, o Programa da ONU para o Meio Ambiente, Pnuma, cita o maçarico-de-papo-vermelho, um pássaro minúsculo que migra da ponta da América do Sul até o Círculo Polar Ártico.

Eles voam por até 3,2 mil km sem parar em altitudes de até 6 mil metros, onde o ar é incrivelmente fino. E quando voam para o norte, eles pousam apenas em alguns lugares específicos.

Dia Mundial das Aves Migratórias é celebrado neste sábado
Dia Mundial das Aves Migratórias é celebrado neste sábado. Foto: WMBD

Peso

Um dos poucos lugares para fazer uma pausa nessa longa viagem é a baía de Delaware, nos Estados Unidos, um estuário que oferece um banquete para as aves migratórias. Os pássaros param para obter comida suficiente para acumular o peso que precisam para ir para sua próxima parada ao longo de sua jornada.

Mas nos últimos anos, muitos desses locais de descanso se tornaram poluídos, ameaçando a sobrevivência de algumas espécies.

A poluição plástica, inclusive de equipamentos de pesca abandonados, aumentou 10 vezes desde 1980. Entre 300 milhões e 400 milhões de toneladas de metais pesados, solventes, resíduos tóxicos e outros resíduos de instalações industriais são despejados anualmente nas águas do mundo.

Aves migratórias como o maçarico-de-papo-vermelho estão sofrendo, e elas não são as únicas da espécie. A estimativa é de que cerca de 14% de aves ameaçadas globalmente estejam sendo colocadas em risco por causa da poluição.

Tema

É para chamar a atenção para essa ameaça, que este ano o tema do Dia Mundial das Aves Migratórias, marcado em 11 de maio e 12 de outubro, é “Proteja as aves: seja a solução para a poluição plástica!”.

A data promove uma campanha de sensibilização anual destacando a necessidade de conservação das aves migratórias e dos seus habitats. Pessoas em todo o mundo organizam ações e eventos públicos, como festivais de aves, programas educacionais, exposições e excursões de observação de pássaros para celebrar o dia.

De acordo com o Estado das Aves do Mundo de 2018, uma em cada oito espécies de aves, 13% das espécies existentes, está ameaçada de extinção. Além da poluição plástica, as aves migratórias enfrentam outros desafios, sendo a agricultura, a extração de madeira e as espécies invasivas as mais importantes.

Plástico

Com uma produção anual de mais de 300 milhões de toneladas, o plástico é um dos materiais mais utilizados no mundo. A estimativa é de que 8 milhões de toneladas de resíduos plástico entrem nos oceanos a cada ano.

O que fazer para ajudar na luta contra o plástico?

  • Reduza, reuse e recicle – Limite o uso de materiais de plástico e os substitua com alternativas ecológicas, use e destarte o plástico de forma sustentável.
  • Ações de Limpeza – Participe de atividades de limpeza em sua área, seja nas praias ou ao longo dos rioss
  • Compartilhe a informação - Apoie a ação local e global contra o uso excessivo e desnecessário, além da eliminação prejudicial de plástico.

Quando chega nos mares, este lixo leva a casos fatais de ingestão e emaranhamento. Como destaca o Pnuma, infelizmente, as asas não ajudam os pássaros a escaparem desta ameaça letal.

Quando flutuam na superfície da água, cobertos por algas, plásticos descartáveis como sacolas, canudos e garrafas podem facilmente serem confundidas pelas aves com alimento, tanto em termos do formato como do cheiro. Sem querer, as aves alimentam seus filhotes que são ainda mais vulneráveis ao plástico.

Pesca Fantasma

Camadas de plástico cobrindo os oceanos e cursos de água também resultam freqüentemente em emaranhamento. Os equipamentos de pesca abandonados, que conduzem a chamada "pesca fantasma", são uma das causas mais comuns e levam à captura de muitas espécies marinhas, incluindo as aves marinhas.

Os pássaros que são apanhados ficam feridos ou acabam se afogando. Eles também ficam com os movimentos limitados e se tornam presas fáceis de outros animais.

Atualmente, cerca de 1 milhão de aves marinhas morrem todos os anos por causa dos efeitos do plástico. Pesquisas também enfatizam a urgência do problema.

Como aponta o Pnuma, cerca de 90 % das aves marinhas têm plástico em seus estômagos. Nesse ritmo, a proporção de aves marinhas que ingerem plástico chegará a 99 % até 2050.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud