Insegurança leva mais de 300 mil a abandonar as suas casas em Darfur

Insegurança leva mais de 300 mil a abandonar as suas casas em Darfur

De visita ao país, vice-secretário-geral diz que cifra foi registada desde o início deste ano; Ladsous exorta a cessação das hostilidades causadas por confrontos tribais.

Eleutério Guevane, da Rádio ONU em Nova Iorque.*

O vice-secretário-geral para as Operações de Paz, Hervé Ladsous, expressou preocupação com a intensificação de confrontos na região sudanesa de Darfur, bem como o seu impacto sobre a população civil.

Falando a jornalistas na capital sudanesa, Cartum, o representante disse que o deteriorar da situação de segurança levou a mais de 300 mil pessoas a abandonar as suas casas, desde o início deste ano. A causa principal foi a onda de confrontos tribais.

Visita

Ladsous escalou o país africano como parte do périplo africano que inclui o Sudão do Sul e o Mali. Na deslocação, o vice-secretário-geral foi acompanhado pelo chefe da Missão da ONU e da União Africana em Darfur, Unamid, Mohamed Ibn Chambas.

Durante a visita, iniciada na quarta-feira, Ladsous reuniu-se com governantes incluindo o presidente Omar Al-Bashir. As reuniões incluirão líderes locais, da sociedade civil e deslocados internos.

Emboscada 

Ladsous exortou às partes a cessar as hostilidades, tendo elogiado os esforços da missão para manter a paz. No dia do início da visita, três soldados ficaram feridos numa emboscada contra um comboio de viaturas da Unamid perto Labado, no leste de Darfur.

Um grupo armado não identificado alvejou uma ambulância num incidente que foi condenado pelo responsável, que elogiou a resposta robusta das forças de paz.

Aos governos sudanês e do Sudão do Sul, Ladsous exortou a observarem plenamente os acordos de 27 de setembro, além de “resolver todas as disputas através de mecanismos bilaterais previstos no pacto”.

*Apresentação: Denise Costa.