Fida quer mulheres e jovens a impulsionar pequena agricultura no pós-2015

Fida quer mulheres e jovens a impulsionar pequena agricultura no pós-2015

Agência revela necessidade de se modernizar economias rurais na próxima agenda de desenvolvimento global; Cerca de 85% de jovens vivem em países em desenvolvimento.

Eleutério Guevane, da Rádio ONU em Nova Iorque.

O Fundo Internacional para o Desenvolvimento da Agricultura, Fida, defende a necessidade de apostar em mulheres e jovens com vista a combater a insegurança alimentar no período posterior a 2015.

Na proposta para a agenda global, a agência refere que mais de 70% dos que vivem na pobreza extrema vivem nas zonas rurais e dependem da pequena agricultura para sobreviver.

Falta de Acesso

Nos campos agrícolas em que operam, o trabalho destes é feito “em condições difíceis, sem tecnologia e nem recursos financeiros.” A falta de acesso aos mercados, necessários para alimentar de forma adequada às comunidades, também foi identificada como um obstáculo.

Após o fim do prazo dos Objetivos de Desenvolvimento do Milénio, nos próximos três anos, a agência destaca a necessidade de modernizar as economias rurais. O objetivo será atender às necessidades de mais de 1,2 mil milhões de jovens, com idade entre 15 e 24 anos. Cerca de 85% vivem em países em desenvolvimento.

Africanos

Como exemplo atual do crescimento agrícola impulsionado pelos pequenos agricultores foram destacados países africanos como Burkina Faso e Gana, além dos asiáticos China, Índia, Tailândia e Vietname.

Um fator tido como crucial para obter os resultados é a aposta no desenvolvimento sustentável a nível económico, ambiental e social.

O Fida destaca ainda que entre as vantagem estarão oportunidades de emprego para os jovens devido à sua “criatividade e energia”, necessárias para uma agricultura sustentável e sensível ao clima.