OMS fala de “progresso sustentado na imunização” em dois anos

OMS fala de “progresso sustentado na imunização” em dois anos

Nigéria junta-se à Índia e à Indonésia na lista de países que perfazem metade das crianças com vacinação incompleta; mais de 22 milhões de crianças perderam as vacinas contra a difteria, o tétano e a tosse convulsa.

Eleutério Guevane, da Rádio ONU em Nova Iorque.

A Nigéria é um dos países com o maior número de crianças com vacinação incompleta contra a difteria, o tétano e a tosse convulsa, refere a Organização Mundial da Saúde, OMS.

A Índia e a Indonésia também compõem a lista, com a situação agravada pela existência de uma grande população infantil e deficiências nos programas de imunização.

Limitações

As condições são agravadas por limitações no fornecimento de vacinas e a falta de acesso às populações vulneráveis. A agência indica que quatro em cada cinco crianças, em todo o mundo, receberam as três doses recomendadas da vacina contra difteria, tétano a tosse convulsa.

Os dados lançados no Relatório Semanal de Morbilidade e Mortalidade demonstram o progresso sustentado dos últimos dois anos, e “uma conquista significativa desde o início do Programa Alargado de Vacinação da OMS há cerca de 40 anos.”

Mais de 22 milhões de crianças, a maioria dos países menos desenvolvidos, teriam perdido as três vacinas essenciais durante o seu primeiro ano de vida durante o ano passado.